O Livro de Mórmon: Feito pelo homem ou dado por Deus?

Ao estudarmos sobre o Livro de Mórmon neste ano, muitos questionamentos podem vir à nossa mente. Talvez um dos primeiros possa ser se Joseph Smith traduziu o Livro de Mórmon pelo dom e poder de Deus ou se ele escreveu o livro com suas próprias ideias.

As críticas 

Joseph era um menino que cresceu em circunstâncias simples e humildes. Ele não obteve muita instrução formal e por isso alguns críticos diziam que por ele ser “ignorante”, o livro teria sido escrito por Sidney Rigdon ou Oliver Cowdery (considerados homens mais inteligentes).

Outros críticos diziam que Joseph copiou o Manuscrito Spaulding e outros ainda se aventuravam a afirmar que Joseph possuía algum tipo de distúrbio mental que o fazia ter habilidades incríveis de escrita. 

Tais afirmações são tão improváveis que foram desacreditadas há muito tempo.

As críticas mais recentes afirmam que, na verdade, Joseph era um gênio que lia muito. E por isso tirou suas ideias de livros que leu para escrever o Livro de Mórmon.

Mas como Joseph passou de um rapaz simples, que não tinha estudado muito para um super gênio da literatura? 

Por meio de inspiração

Não existe nenhuma evidência de que Joseph teria sido um talentoso escritor antes de traduzir o Livro de Mórmon, na verdade, o que sabemos é totalmente contrário. Emma Smith, esposa de Joseph disse certa vez: “Se Joseph Smith, quando jovem, não conseguia nem escrever nem ditar uma carta coerente e estruturada, ele não conseguiria ditar um livro como o Livro de Mórmon de sua própria cabeça.”

O Livro de Mórmon foi traduzido em 65 dias, sem o uso de anotações por parte de Joseph Smith e com apenas poucos erros (que eram gramaticais, em sua maioria). Houve somente um manuscrito, sem rascunhos e Joseph tinha apenas 23 anos naquela época.

O Élder Tad R. Callister, Setenta Autoridade Geral emérita e ex-Presidente Geral da Escola Dominical, relatou sua experiência ao escrever um livro sobre o Livro de Mórmon.

“Quando recentemente terminei de escrever […], minha secretária me perguntou, ‘O senhor sabe quantos rascunhos escreveu?’ Eu respondi. ‘Não.’ E ela disse, ‘72.’ Eu levei dois anos escrevendo com muita concentração e muitos anos anteriores pensando sobre o assunto e reunindo ideias, com inúmeras anotações na minha frente, para escrever um livro com metade do tamanho do Livro de Mórmon e muito menos significativo em 72 rascunhos.”

Dado por Deus

Emma Smith escreveu:

“Minha crença é que o Livro de Mórmon é divinamente autêntico – e eu não tenho a menor dúvida disso. Sei que nenhum homem poderia ditar os escritos dos manuscritos a menos que fosse inspirado.”

O Livro de Mórmon é verdadeiro e podemos saber disso não só por meio da história e da razão, mas também por meio do Espírito Santo. Através Dele, podemos saber que o Livro de Mórmon foi traduzido pelo dom e poder de Deus. É uma obra do Senhor e não dos homens, que abençoará ainda mais o nosso estudo do “Vem, E Segue-Me” deste ano.

Fonte: Church News

Relacionado:

7 coisas que sabemos agora sobre as 116 páginas perdidas do Livro de Mórmon

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *