Uma coisa que esquecemos ao compartilhar as palavras dos profetas e apóstolos

Parece cada vez mais que a Igreja e nossos líderes estão se concentrando em simplificar programas, reuniões e relatórios para se concentrar no ponto central do evangelho. Para mim, a mensagem geral parece ser que, não importa a nossa idade, não podemos seguir em frente de braços cruzados. Em vez disso, temos a oportunidade de assumir de vez nosso discipulado, confiar em nosso Salvador, receber Sua graça, e buscar a exaltação e a divindade dentro de nós, com o apoio amoroso da Igreja e de seus membros para nos ajudar a levantar quando caímos.

Ser um membro da Igreja significa fortalecer nosso relacionamento com Deus, nosso Salvador e com o Espírito Santo, para que possamos começar a criar o alicerce da vida eterna agora, não em um futuro distante.

Embora eu ame o modo como esta conferência geral passada desafiou cada um de nós, estou com o receio de errar o alvo quando se trata de compartilhar as mensagens de nossos líderes da Igreja.

mente

O profeta e os apóstolos fizeram muitos desafios e nos cobraram o dever de ministrar uns aos outros, ensinar o evangelho em nosso lar, cuidar mais do nome da Igreja, melhorar nosso estudo das escrituras, dedicar-nos à frequência regular ao templo, e diversas outras responsabilidades que vêm com poderosas bênçãos.

Mas ao passar dos dias, comecei a ver citações desses discurssos surgindo em conversas do WhatsApp ou em outras mídias sociais onde as pessoas usavam aquele pequeno texto para provar um ponto, justificar uma ação, ou até se atacar alguém. O que me assustou tanto nisso foi ver essa a tendência dentro de mim – a audição seletiva que me levou a elogiar, escrever, compartilhar e lembrar de certas citações dos discursos e esquecer aquelas que eu não queria ouvir.

Isso me fez pensar, estamos ouvindo o profeta e os apóstolos com a intenção de provar nossos próprios preconceitos, ou estamos ouvindo humildemente, dispostos a aceitar aquilo que é difícil de ouvir? Estamos compartilhando citações para julgar ou para espalhar o amor? Estamos usando as palavras dos líderes da Igreja para nos sentirmos melhor sobre nós mesmos, ou estamos nos esforçando para levá-los a sério e fazer uma mudança em nossa vida?

Ao usar citações fora de contexto, compartilharemos uma mensagem fragmentada e distorcida que pode nos afastar das outras pessoas ao invés de unir nossos corações.

Apesas dos desafios e exortações da conferência geral, também tivemos mensagens sobre misericórdia, paciência e amor.

presidente nelson na américa do sul

Embora o Presidente Nelson tenha dito: “Quando omitimos Seu nome de Sua Igreja, estamos inadvertidamente removendo-O como o ponto central de nossa vida,” ele também compartilhou: “Devemos ser corteses e pacientes em nossos esforços para corrigir esses erros.”.

Embora o Élder Gong ter nos desafiado a encontrar alegria na criatividade sadia, ministrar de maneira santa, buscar o Senhor de todo coração, estabelecer padrões de vida justa e preparar-nos para encontrar a Deus, podemos esquecer que ele também nos pediu para “lembrar que a perfeição está em Cristo, não em nós mesmos ou no perfeccionismo do mundo. Os convites de Deus estão repletos de amor e possibilidades.”

Embora o Élder Cook tenha dito: “Confiamos que vocês se aconselharão mutuamente e buscarão revelação para implementar esses ajustes —, mas que não olharão para além do marco ou tentarão regulamentar pessoas ou famílias”, podemos esquecer que ele prometeu, “os membros serão abençoados de modo extraordinário.”

Nesta conferência, os sinônimos da palavra “juiz” apareceu em apenas dois discursos proferidas por nosso profeta e um apóstolo, e ambos os casos citavam escritura (“guardeis os meus juízos, e os observeis.” ( Ezequiel 36: 26–28 ) e “para ser julgados segundo os homens na carne, mas viver segundo Deus no espírito.” ( D & C 138: 33–34 ).

Em contraste, formas da palavra “amor” apareceram exatamente 190 vezes. Esse foco é refletido em nossas conversas desde a conferência? Juntamente de cada desafio que nossos líderes da Igreja deram, eles também ofereceram encorajamento e compreensão.

Eu acho que esse aspecto da conferência é melhor ilustrado por esta história do Presidente Eyring:

“Como já mencionei outras vezes, um de nossos bispos me disse certa vez: “Estou admirado. Toda vez que fico sabendo que uma pessoa na ala está passando por dificuldades, apresso-me para ajudar. Mas, quando chego ao local, parece que sua esposa sempre já está lá”. Isso aconteceu em todos os lugares em que moramos nos últimos 56 anos.

Agora ela consegue pronunciar apenas algumas palavras por dia. Ela recebe visitas de pessoas as quais amou pelo Senhor. Toda noite e toda manhã, canto hinos com ela e oramos. Tenho que proferir todas as orações e cantar todas as músicas. Às vezes, vejo-a pronunciar as palavras dos hinos. Ela prefere as músicas para crianças. O sentimento que ela mais parece apreciar está resumido na música “Eu quero ser como Cristo”.

Um dia desses, depois de cantar as palavras do refrão: “Ame a seu próximo como Jesus ama você e seus passos conduz”, ela disse de modo delicado, mas com clareza: “Ama, ama, ama”. Acredito que ela vai descobrir quando vê-Lo que nosso Salvador colocou Seu nome no coração dela e que ela se tornou semelhante a Ele. Ele está cuidando dela durante suas dificuldades agora, assim como Ele vai cuidar de vocês durante as suas.”

Somos todos imperfeitos. Estamos todos tentando. E nossos líderes da Igreja, que têm mais motivos para ficarem frustrados conosco do que qualquer outra pessoa, oferecem compreensão, paciência e amor. Mas essa misericórdia é apenas uma pequena qauntia do que nosso Salvador nos oferece.

Como o Élder Uchtdorf disse:

“Vocês vão perceber que esta Igreja tem algumas das melhores pessoas que este mundo tem a oferecer. Elas são acolhedoras, amorosas, gentis e sinceras. Elas são dedicadas, estão dispostas a se sacrificar e, às vezes, são até mesmo heroicas.

E elas também são inevitavelmente imperfeitas.

Elas cometem erros.

De tempos em tempos, elas falam coisas que não deveriam. Fazem coisas que não gostariam de ter feito.

Mas elas têm algo em comum: elas querem ser melhores e se aproximar do Senhor, nosso Salvador, sim, Jesus Cristo.

Elas estão tentando fazer o que é certo.”

Ao tentarmos juntos, lembremo-nos das palavras amorosas de nossos líderes da Igreja, para que possamos nos elevar mutuamente.

“Não há lugar para o medo nesses lugares santos de Deus ou no coração de Seus filhos. Por quê? Por causa do amor. Deus nos ama — sempre — e nós O amamos.” – Élder Ronald A. Rasband

“De modo semelhante ao que ocorre com o rio Solimões e o rio Negro ao fluírem juntos para formar o grande rio Amazonas, os filhos de Deus, vindo de diferentes contextos sociais, tradições e culturas, unem-se à Igreja restaurada de Jesus Cristo formando esta maravilhosa comunidade de santos em Cristo. À medida que encorajamos, apoiamos e amamos uns aos outros, nós nos unimos para formar uma força poderosa para o bem no mundo. ” – Élder Ulisses Soares

“Queridos amigos, em nosso ministério compartilhado de reconciliação, peço que sejamos pacificadores — que amemos, busquemos, criemos e estimemos a paz.” – Élder Jeffrey R. Holland

Fonte: LDSLiving

Relacionado:

Reflexões de uma garota ansiosa sobre a Conferência Geral

The post Uma coisa que esquecemos ao compartilhar as palavras dos profetas e apóstolos appeared first on maisfe.org.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *