A guerra revolucionária dos Estados Unidos e a Restauração

Imagem principal: Declaração de Independência dos Estados Unidos

Como mórmons, olhamos para os Estados Unidos como o único lugar no mundo em 1820 onde havia liberdade religiosa suficiente para a Igreja restaurada sobreviver. Até mesmo a liberdade religiosa que existia na época mal era suficiente para que os santos sobrevivessem. A guerra revolucionária foi necessária para chegar a esse ponto.

Muitos dos imigrantes que estavam vivendo nas colônias americanas nos anos 1700 fugiram de perseguição religiosa na Europa. Eles viram sua causa como nobre e queriam ter sucesso no continente americano para ser uma espécie de luz na colina. Eles se viam como vivendo de acordo com o verdadeiro plano de Deus quando se separaram da Igreja Anglicana na Inglaterra e da Igreja católica ortodoxa na Europa.

As igrejas tradicionais e seus líderes na Europa sentiram profundamente que caos seria o resultado de deixar as pessoas exercessem a fé como quisessem, e sentiram que tinham a única verdade. Eles viram a ordem em ter uma religião nacional. Isso parecia tão importante que estavam altamente dispostos a punir os hereges matando-os.

Perseguições

Quem perseguia quem variava de acordo com a área. Em alguns lugares, os protestantes foram punidos pelos católicos, enquanto em outros lugares, os católicos foram punidos pelos protestantes. Em outros lugares, tanto católicos como protestantes perseguiam outros pequenos grupos religiosos. Muitos religiosos fugiram para o continente americano para salvar a vida.

Como os Estados Unidos pendeu em direção a uma guerra de independência da Inglaterra, a lealdade dos colonos ficou dividida. Alguns queriam a independência e alguns eram leais à Inglaterra. Isto resultou em sentimentos fortes a favor ou contra a Igreja da Inglaterra, a Igreja Anglicana.

Estados Unidos, local escolhido por Cristo

Os fortes sentimentos religiosos tornou-se mais fortes. Muitos sentiram que lutar contra a Inglaterra e a igreja matriz como seus opressores. Os membros da Igreja da Inglaterra, que fizeram dos estados Unidos seu lar foram especialmente envolvidos na polêmica que dividia suas congregações. Os ministros anglicanos tinham um juramento de ser leal ao rei. Os livros de orações e hinos incluem orações para o rei inglês.

Como a guerra estava para estourar, ocorreu um afloramento de fervor milenar. Alguns ministros francos viam os Estados Unidos como país favorecido por Deus, onde Cristo teria vindo. Eles O viam governando o mundo de lá. Quando os Estados Unidos ganharam essa guerra, essa ideia tornou-se ainda mais poderosa.

Todos, até mesmo não-crentes, sentiam um afloramento de esperança para o país como uma nação escolhida. Benjamin Franklin inventou um projeto para a criação da nova nação. Ele mostra o êxodo e os opressores de Israel sendo afogados no mar vermelho. Claro, Israel era justa e estava lutando pela liberdade.

Precursores

Estados Unidos

“A rebelião contra os tiranos é obediência a Deus.”

Jonathan Mayhew era tão liberal quanto as pessoas religiosas eram naqueles dias. Ministro de congregações em Boston, ele acreditava firmemente na independência. Ele “considerava a Igreja da Inglaterra como um inimigo perigoso, quase diabólico, inimiga da maneira de ser Nova Inglaterra”. Ele ajudou a avançar a ideia de que a resistência contra a Inglaterra era o caminho escolhido. Enquanto isso, os britânicos começaram a ver os colonos como fanáticos religiosos.

Após a guerra, as igrejas se separaram formalmente de suas igrejas-mãe na Inglaterra e na Europa. A Igreja Episcopal Americana se tornou a versão americana separada do anglicanismo. Também foi organizada a Igreja Metodista Episcopal. Os presbiterianos na América romperam relações com a Igreja da Escócia para se tornar uma igreja distintamente americana.

O segundo grande despertar

À medida que o fervor milenar aumentou com a sensação de que a os Estados Unidos foram escolhidos e era um lugar santo, os ministros começaram a promover suas religiões e congregações americanas. O segundo grande despertar (que criou o fervor religioso vivenciado pela família de Joseph Smith) começou em 1790. Muitos conversos acreditavam que o despertar anunciava uma nova era milenar.

Muitos movimentos de reforma surgiram a partir do segundo grande despertar. Alguns eram movimentos “restauracionistas”, onde os adeptos acreditavam que precisava de uma limpeza e um retorno para a Igreja de Cristo original. Alguns acreditavam que era a organização da religião que precisava ser reformada para se parecer mais com a original criada por Cristo. Outros acreditavam que era um retorno às coisas espirituais que precisava acontecer. Outros ainda acreditavam que a autoridade tinha sido perdida e precisava ser recuperada. Muitos restauracionistas encontraram o caminho para A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias por meio de experiências espirituais especiais que os levaram naquela direção.

A independência dos Estados Unidos era absolutamente necessária para que a restauração da verdade acontecesse. A gratidão pelo triunfo dos Estados Unidos contra os reis e bispos da Inglaterra deve ser parte de nossas lembranças do dia da independência.

 

Fonte: Mormonhub

Relacionado:

O Que a Independência dos EUA Pode Significar para Você

 

 

The post A guerra revolucionária dos Estados Unidos e a Restauração appeared first on Mormonsud.net.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *