7 coisas que sabemos agora sobre as 116 páginas perdidas do Livro de Mórmon

A escritura mais antiga revelada durante a Restauração, “as 116 páginas perdidas” do Livro de Mórmon, desapareceu há 192 anos para nunca serem encontradas. Mas estão surgindo evidências que fornecem novas descobertas sobre essas páginas perdidas. Aqui estão sete dessas descobertas:

  1. Joseph e Emma trabalharam juntos, como marido e mulher, na primeira parte da tradução.

Há muito tempo se sabe que Emma Hale Smith serviu de escrevente durante a tradução. Usando os detalhes que ela deu em entrevistas, podemos agora identificar qual parte do texto que ela registrou. Emma diz que quando ela serviu de escrevente para Joseph, ele não podia pronunciar o nome “Saria” e ficou chocado ao descobrir que Jerusalém tinha muros. Uma vez que tanto Saria e as paredes de Jerusalém aparecem no início do Livro de Mórmon, e sabemos a partir da letra no manuscrito original do Livro de Mórmon que Emma não foi escrevente de 1 Néfi, isso significa que Emma ajudou Joseph no início da história de Leí nas 116 páginas perdidas e, portanto, foi a primeira escrevente no trabalho de tradução.

  1. Martin Harris considerou a tradução deste manuscrito tão importante que ele fez enormes sacrifícios por ele.

Joseph diz que Martin escreveu para ele em Harmony, Pensilvânia, desde o dia 12 de abril a 14 de junho de 1828. Durante essa mesma época em Palmyra, Martin perdeu o casamento de sua filha e a época de plantio em sua fazenda. Martin ficou suficientemente impressionado com a importância do manuscrito que estava transcrevendo que sacrificou participar desses eventos.

  1. Joseph Smith revelou alguns dos conteúdos das 116 páginas perdidas para outros.

O apóstolo Franklin D. Richards ouviu uma vez o Profeta Joseph relatar informações das 116 páginas perdidas (descritas abaixo). Não surpreendentemente, o Profeta também compartilhou tais informações com seu pai, Joseph Smith Sr. Por sua vez, Joseph Sr. compartilhou algumas dessas informações em uma entrevista de 1830 com Fayette Lapham, residente em Palmyra.  A entrevista publicada por Lapham dá informações sobre o Livro de Mórmon (a ordem de tradução correta das pequenas placas e resumo de Mórmon) que os estudiosos levaram mais um século para descobrir. Joseph Sr. também deu a Lapham detalhes sobre as histórias de Leí, Néfi e Mosias que não podem ser encontradas no Livro de Mórmon atual, mas que mostram ser genuínas. Estes novos detalhes se encaixam nessas histórias como luvas e respondem a perguntas levantadas pelo texto disponível do Livro de Mórmon.

  1. Ismael era da tribo de Efraim.

Franklin D. Richards ouviu alguém perguntar a Joseph como o Livro de Mórmon poderia ser a “vara de Efraim” quando Leí era da tribo de Manassés. O Profeta explicou que as 116 páginas perdidas diziam que Ismael era da tribo de Efraim, fazendo do povo do Livro de Mórmon uma mistura de Manassés e Efraim, os dois filhos de José.

  1. A libertação temporal de Leí da destruição de Jerusalém ocorreu durante uma festa judaica que simbolizava a redenção do mundo pelo Messias.

Em sua entrevista de 1830, Joseph Smith Sr. descreveu uma “grande festa” —um festival religioso-em Jerusalém no momento da partida de Leí e deu isso como a razão para a embriaguez de Labão. Isto se encaixa no relato de Néfi de que Labão havia “saído de noite” com “os anciãos dos judeus” (1 Néfi 4:22). Outros detalhes no relato de Néfi nos permitem identificar o festival e sua conexão com o trabalho redentor do Salvador. Visto nesta luz, a primeira história do Livro de Mórmon, a da libertação temporal de Leí, é um “tipo” para a redenção do mundo. Desde o começo, o Livro de Mórmon é um testamento de Cristo.

  1. As 116 páginas perdidas responderam a perguntas levantadas no texto do Livro de Mórmon disponível atualmente.

Uma das perguntas sem resposta do Livro de Mórmon é como os intérpretes ou Urim e Tumim entregues ao irmão de Jarede chegaram aos nefitas. O texto do Livro de Mórmon disponível atualmente nos diz que antes dos nefitas encontrarem as 24 placas jareditas, eles já tinham os intérpretes (Mosias 8:6-14). Como os encontraram? Isso não nos é contado. Mas Joseph Smith Sr. narrou a Fayette Lapham, em detalhes, como um dos antigos nefitas foi levado aos intérpretes jareditas na terra prometida pela Liahona, evidentemente retirando esta narrativa das 116 páginas perdidas.

  1. As 116 páginas perdidas identificam o templo como um lugar para conversar com Deus através do véu.

Na narrativa de Joseph Smith Sr. acima, o descobridor dos intérpretes—provavelmente Mosias I—levou os intérpretes para um “tabernáculo” ou templo portátil para perguntar ao Senhor como usá-los. Quando Mosias entrou no tabernáculo, o Senhor perguntou: “o que é isso em sua mão?” Mosias respondeu que “não sabia, mas que veio perguntar”, e o Senhor revelou a resposta. Tanto naquela época como agora, o templo é um lugar para conversar com o Senhor e buscar entrar em Sua santa presença.

As 116 páginas perdidas ainda estão “perdidas.” Mas não nos deixaram sem provas do que nelas havia. Usar a informação que nos foi fornecida sobre este texto perdido do Livro de Mórmon pode aprofundar o nosso estudo e compreensão do notável texto do Livro de Mórmon que temos e fortalecer os nossos testemunhos deste segundo testemunho de Jesus Cristo.

Fonte: LDS Living

Relacionado:

Explicação sobre as placas que deram origem ao Livro de Mórmon

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *