A cura para a depressão pós-parto

Senti-me tão culpada por não gostar tanto da maternidade como esperava.

Adoro ser mãe e ter uma ligação especial com os meus filhos. Alguns dos meus momentos preferidos de maternidade acontecem quando os meus filhos são imediatamente confortados por apenas sentar no meu colo e receber um abraço meu.

Mas a maternidade foi uma adaptação difícil para mim. Depois do meu primeiro bebê nascer, me senti em conflito por tantas emoções, senti falta do meu marido enquanto ele terminava a faculdade e também trabalhava longas horas.

Senti falta do convívio escolar desde que me formei. Senti falta de ver meus amigos, curtir meus passatempos, aprender e sentir-me desafiada por tarefas.

A minha rotina agora era ditada por hábitos alimentares e de sono de um bebê. Tentei aproveitar ao máximo suas sonecas para tomar banho, fazer tarefas domésticas, equilibrar as contas e fazer um milhão de outras coisas que estavam atrasadas.

Dezoito meses depois, o nosso segundo bebê nasceu. Meu marido e eu imediatamente o amamos e nos sentimos gratos por ter outro filho. Mas, em meio a esse momento de felicidade, senti que algo estava errado.

Chorei várias vezes ao dia. Até pedi desculpa aos meus filhos por estar triste e exausta demais para brincar com eles. Me senti tão culpada por não aproveitar aqueles momentos.

Comecei a me isolar e me senti mais sozinha do que nunca.

Pode ser interessante: Escolher ter filhos em um mundo cada vez mais difícil

Sentir-se sem esperança

A primeira vez que tive um pensamento suicida, fiquei surpresa e assustada. Eu não queria causar tristeza ou dor a ninguém, mas me vi planejando como como poderia me afastar da solidão e da desesperança que sentia naquele momento.

Pensei que todos estariam melhor sem mim. Eu estava convencida de que não tinha a abnegação e o amor incondicional que outras mães pareciam ter. Eu já não me sentia eu mesma. A única opção que podia ver era desistir.

Meu amado esposo viu o meu sofrimento, e não me deixou sozinha em minha dor. Ele se sentou comigo e me abraçou.

Ele me encorajou a falar com o nosso bispo, e resisti no início porque me senti fraca e humilhada por não sentir a felicidade que eu esperava.

Outras mães pareciam prosperar nas alegrias da maternidade, e ultimamente eu não sentia nenhuma alegria.

Porém, o medo de ter mais pensamentos suicidas e não ser capaz de resistir a eles me motivou a finalmente conversar com meu bispo.

Eu tinha fé que o Pai Celestial sabia exatamente o que eu precisava e que se eu confiasse Nele, Ele me mostraria como encontrar alegria novamente (ver Doutrina e Convênios 84:82-83).

O nosso bispo era médico, e a sua perspectiva adicional me ajudou a descobrir o que era certo para que eu encontrasse a cura.

Ele me ensinou sobre depressão pós-parto e recomendou que eu conversasse com um terapeuta e procurasse orientação para tomar antidepressivos.

Meu bispo também me ajudou a compreender o poder curativo da oração, das bênçãos do sacerdócio, do sacramento e da Expiação do Salvador.

E então ele me deu conselhos para manter minha saúde mental: tomar ar fresco, fazer exercícios regularmente e passar um tempo fazendo algo que eu amava.

Usar todas as ferramentas de cura

Depois de meses seguindo suas ideias e orientações, vi uma mudança dramática em minha saúde mental.

Sim, eu ainda passava noites cuidando do meu bebé e me esforçando para entreter meu outro filho durante o dia.

Às vezes, eu ainda me sentia sozinha, mas as mudanças na minha rotina me deram o que eu precisava para lidar com as provações à medida que elas surgiam.

Senti um impulso em minha confiança. Eu tinha energia renovada para levar os meus filhos para passear, e conseguia desfrutar do sol.

Trabalhei com o meu médico para eventualmente parar com a medicação e com as sessões de terapia, porque eu tinha todas as ferramentas que precisava para seguir frente.

Aprendi a ter como prioridade cuidar das minhas necessidades físicas, mentais e espirituais. E agora eu tinha reservas para cuidar da minha família e ajudar aqueles que precisavam de um amigo tanto quanto eu.

Agora entendo que é completamente normal sentir uma gama de emoções como mãe. Cada dia é cansativo, alegre, gratificante, e às vezes frustrante.

Você também vai gostar: Ter depressão não significa sofrer sozinho

Uma rede de apoio

Se você está sentindo tristeza e ansiedade que parecem não desaparecer, por favor, procure ajuda.

Você não está sozinha.

Você tem pessoas que te amam e que te apoiarão nessa nova fase da vida. Uma vez que aprendi a não me sentir culpada por não amar todos os aspectos da maternidade, aproveitei muito mais os bons momentos.

É preciso esforço para arranjar tempo para amizades e passatempos, mas ao ganhar tempo para mim, tornei-me uma mãe muito mais feliz.

Eu pude ser a mãe solidária, amorosa e carinhosa que eu sempre quis ser porque reconheci que sou mais feliz quando me concentro no meu crescimento pessoal, além do bem-estar dos meus filhos.

Sou grata por ter um esposo compreensivo, um bispo inspirado, um médico carinhoso, e um Pai Celestial amoroso que me ajudou a encontrar a cura.

Sei que, com a orientação de nosso Pai Celestial e Jesus Cristo, podemos ser curados de nossos sofrimentos, das nossas dores e das nossas imperfeições (ver 2 Néfi 4:20).

Podemos ser fortalecidos pelo Seu perfeito amor por nós, porque Eles sabem quem somos e quem podemos nos tornar com a Sua ajuda.

Fonte: The Church Of Jesus Christ os Latter-Day Saints

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *