Por que os mórmons têm a responsabilidade de proteger a Liberdade Religiosa

O hino “Vinde ó Santos” ecoava pelo campus da Universidade de Brigham Young durante o evento de liberdade religiosa “Religious Freedom Annual Review.” A letra do hino, escrita pelo pioneiro William Clayton foram citadas pelo seu descendente, Élder L. Whitney Clayton, que foi o orador no evento.

Élder Clayton, da Presidência dos Setenta, comentou como o hino exemplifica a defesa da liberdade religiosa. Durante seu discurso ele compartilhou história de seus antepassados pioneiros e falou sobre a importância da fé como o centro de sua identidade. Ele disse:

“Eu não posso separar quem eu sou da fé que inspirou aqueles pioneiros a sacrificar tudo pelo evangelho de Jesus Cristo. Aquela fé continua a inspirar e definir minha vida e a vida da minha família.”

Ele disse que as crenças pessoais podem moldar cada aspecto da vida de um indivíduo.

“Uma vez experimentada e aceita, a fé em Deus causa uma mudança de vida. A escolha de acreditar […] influencia profundamente a identidade pessoal, familiar e cultural de um indivíduo. Ela define quem e o que somos; como entendemos o nosso propósito de vida; como nos relacionamos com as outras pessoas; e como nós lidamos com a dor, sofrimento e morte.”

revelação pessoal

A fé, como Élder Clayton explicou, é muito mais do que uma escolha ou preferência pessoal; ela é o alicerce de um caráter.

A incapacidade de líderes e entidades seculares de entender que a fé é uma parte da identidade de uma pessoa “naturalmente é descontada na liberdade religiosa que permite que as pessoas de fé vivam de acordo com sua identidade em dignidade e paz,” disse ele.

Para muitos crentes, a religião não é algo como colocar e remover sua camiseta favorita. Desconstruir esse mito é algo chave para um maior entendimento das pessoas religiosas e não-religiosas.”

Um dos tópicos da conferência foi: Como a liberdade religiosa e fé contribuem para o bem comum no mundo?

“Frequentemente, as elites seculares e líderes governamentais vêem a fé e as comunidades religiosas que demandam lealdade e bases tradicionais, como um obstáculo que interfere na aquisição de suas próprias visões ideológicas de uma sociedade moderna e justa. Eu temo que frequentemente, eles vêem religião em si […] como algo perigoso. Isso é uma maneira de pensar ignorante e supersticiosa que deve ser desconsiderada tão racionalmente quando possível.”

Polícia russa entra nas instalações da Igreja Testemunhas de Jeová na Rússia.

“Na minha visão, a maior ameaça a liberdade religiosa é quase invisível. Nós não vemos ataques abertos com frequência, ao invés disso, nós vemos mudanças graduais na aceitação cultural de coisas que são antiéticas para as religiões. Algumas dessas mudanças […] tende a  fazer a pratica religiosa pública mais difícil para as pessoas de fé.”

Essas mudanças, de acordo com Élder Clayton, podem vir mais de mal entendidos sobre as crenças religiosas e sua importância do que preconceito deliberado.

Sobre a liberdade religiosa na geração da internet, Emily Hardman disse falou sobre um questionário entre essa faixa etária.

Foi descoberto que embora 95% da geração da internet pense que a liberdade religiosa seja importante, 58% pensam que a religião não deveria ter um papel na sociedade. Há uma crença popular entre as gerações jovens que a religião devia ser focada no setor privado ao invés das comunidades.

Kristen Looney compartilhou em seu discurso que é necessário o engajamento em um diálogo aberto para acabar com os mal-entendidos sobre o que a liberdade religiosa e crenças seculares falam e encontrar um equilíbrio para que elas possam ser exercidas e manifestadas sem preconceito.

Para finalizar, Élder Clayton compartilhou que membros da Igreja entendem muito bem como é viver uma crença que não é popular. A Igreja e seus membros têm uma história que permite entender a dificuldade de ter suas crenças entendidas erroneamente e ameaçadas. Essa história pode ajudar a Igreja e seus membros a tomar a dianteira na defesa de seus direito de liberdade religiosa.

“Nossa fé nos levanta acima das dificuldades e tribulações desta vida para uma visão de salvação e paz que dá a esperança para seguir em frente com alegria na jornada. A mesma fé que motivou os pioneiros do século 19 em seus terríveis desafios quando procuravam construir sua Sião continua a apoiar e defender a vida dos membros da Igreja fiéis nos dias de hoje. Esta mesma fé ainda está na medula de nossos ossos. Ela ainda define quem nós somos. ”

Fonte: Church News

Relacionado:

Por que os mórmons defendem a liberdade religiosa dos muçulmanos?

 

The post Por que os mórmons têm a responsabilidade de proteger a Liberdade Religiosa appeared first on Mormonsud.net.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *