O conceito de eleição para salvação nas escrituras

A primeira grande verdade sobre o tema de “eleição” – e a mais importante de todas – é que Deus não faz acepção de pessoas (Romanos 2:11), que Ele ama todos os Seus filhos (2 Néfi 26:24) e que Jesus Cristo morreu e ressuscitou para que todos, absolutamente todos, pudessem ser salvos. Em outras palavras, Deus deseja que todos sejam seus eleitos para Vida Eterna. O Salvador explicou:

“Meu Pai enviou-me para que eu fosse levantado na cruz; e depois que eu fosse levantado na cruz, pudesse atrair a mim todos os homens, a fim de que, assim como fui levantado pelos homens, assim sejam os homens levantados pelo Pai (…)” (3 Néfi 27:14).

Falsos conceitos de eleição

Comecei explicando isso, pois quando tal ponto doutrinário é compreendido os falsos conceitos de eleição para salvação são afastados. Nas escrituras lemos sobre alguns grupos que tinham falsos conceitos sobre eleição. Lemos, por exemplo, sobre os Zoramitas, que oravam:

“Santo Deus, cremos que nos separaste de nossos irmãos; (…) [e] cremos que tu nos elegeste para sermos teus santos filhos; e também nos fizeste saber que nenhum Cristo haverá.

Mas tu és o mesmo ontem, hoje e para sempre; e elegeste-nos para sermos salvos, enquanto que todos ao nosso redor foram escolhidos para serem, pela tua ira, lançados no inferno; por essa santidade, ó Deus, agradecemos-te; e também te rendemos graças por nos haveres elegido, a fim de que não sejamos desencaminhados pelas tolas tradições de nossos irmãos que os forçam a crer em Cristo, afastando-lhes o coração para longe de ti, Deus nosso!” (Alma 31:16-17)

Ou o falso conceito perpetuado pelos judeus por muitos anos – e rebatido veementemente por João Batista, pelo Salvador, e seus apóstolos no Novo Testamento. João Batista disse aos orgulhosos judeus, que se confortavam por ser descendentes dos profetas:

“E não presumais, de vós mesmos, dizendo: Temos por pai a Abraão; porque eu vos digo que, mesmo destas pedras, Deus pode suscitar filhos a Abraão!” (Mateus 3:9)

Quando Jesus confrontou os mesmo pensamento errôneo Ele explicou que a descendência física não elege uma pessoa para salvação:

“Em verdade, em verdade vos digo que todo aquele que comete pecado é servo do pecado.
(…)
Bem sei que sois descendência de Abraão; contudo, procurais matar-me, porque a minha palavra não entra em vós.
Eu falo do que vi junto de meu Pai, e vós fazeis o que também vistes junto de vosso pai.
Responderam, e disseram-lhe: Nosso pai é Abraão. Jesus disse-lhes: Se fôsseis filhos de Abraão, faríeis as obras de Abraão.
Mas agora procurais matar-me, a mim, homem que vos tem dito a verdade que de Deus tem ouvido; Abraão não fez isto.
Vós fazeis as obras de vosso pai. (…)
Vós tendes por pai ao diabo, e quereis satisfazer os desejos de vosso pai. ” (João 8:33-44)

O verdadeiro conceito de eleição inclui o evangelho de Jesus Cristo

As escrituras revelam que Deus conhece o fim desde o princípio (Isaías 46:10). Elas também ensinam que antes de nascermos vivíamos com Deus e, após recebermos lições lá e nos desenvolvermos, Ele preordenou ou predestinou seus filhos (Abraão 3).

Sabemos que Ele designou os lugar e tempo do nosso nascimento (Atos 17:26). Sabemos que Ele deu missões específicas a alguns – e chamamos isso de “preordenação”. Um exemplo é Jeremias, que foi escolhido para ser profeta antes de nascer (Jeremias 1:5).

Quando Adão foi colocado na Terra, ensinou o evangelho à sua família (Moisés 5:12, 58). O evangelho é o plano de Deus para salvação. Significa ter fé em Jesus Cristo, arrepender-se, ser batizado, receber o Espírito Santo e perseverar até o fim, confiando no poder de Cristo.

Não existe eleição sem o evangelho de Jesus Cristo. Sem o sacrifício infinito e eterno de Cristo, que na época de Adão era simbolizado pelo sacrifício de animais, ninguém podia galgar a salvação. Sem conhecer a aplicar as verdades eternas ninguém será salvo. É por isso que Adão foi batizado, recebeu o Espírito Santo, o sacerdócio e todas as ordenanças necessárias para voltar a presença de Deus (Moisés 6:51-68).

Uma descendência eleita

Entretanto, a posteridade de Adão caiu em pecado, e se afastou do seu destino divino, estabelecido na pré-mortalidade. Deus chamou Enoque e após sucessivos milagres uma cidade santa foi erigida. Deus elegeu todos daquela cidade, chamada Sião, e os arrebatou (Moisés 7). A terra mergulhou em pecado novamente. Noé tentou persuadir as pessoas a se voltarem aos mandamentos, mas elas recusaram sua eleição, e amaram mais a morte do que a vida.

Após o dilúvio, Noé abençoou sua posteridade – Sem, Cão e Jafé. Ele disse:

“Bendito seja o Senhor Deus de Sem; e seja-lhe Canaã por servo. Alargue Deus a Jafé, e habite nas tendas de Sem; e seja-lhe Canaã por servo. (Gênesis 9:26-27)

Em síntese Noé viu que as bênçãos do evangelho deveriam ser dadas a Sem e sua posteridade. A descendência dele seria guardiã do Evangelho eterno. Eles seriam a descendência eleita para salvação. É desta descendência que nasceria Abraão, o pai dos fiéis.

Mas e quanto Cão e Jafé – e suas respectivas descendências? Embora não tenhamos muitos detalhes no Velho Testamento, quando lembramos do mais importante princípio sobre eleição que mencionei no começo do artigo, fica claro que Deus ama e deseja salvar todos os seus filhos. A Jafé foi dito que ele habitaria “nas tendas de Sem” – o que pra mim revela que ele e sua descendência – que mais tarde seria conhecida como “os gentios” – teriam as bênçãos do evangelho – mas concedidas por Sem e seus filhos.

Canaã é um dos filhos de Cão, neto de Noé. A historia confusa no Velho Testamento não nos dá muitos detalhes sobre o real motivo pelo qual foi amaldiçoado. Mas o fato é que ele e sua descendência não teriam direito as bênçãos plenas do evangelho. E isso é confirmado no livro de Abraão. Entretanto, é evidente que o amor de Deus não se detém ao curto espaço de vida da mortalidade – e aqueles que foram rebeldes e os que não tiveram acesso a plenitude do evangelho nesta vida tiveram-no depois. Mesmo no mundo Espiritual uma pessoa pode se preparar para eleição divina.

Abraão, nosso pai

A Abraão foram feitas promessas de eleição. O conjunto de promessas é chamado convênio abraâmico – e inclui o novo e eterno convênio do evangelho – desde do batismo até o casamento celestial. Esse convênio só se efetiva pelo Evangelho de Jesus Cristo. Todos os que desejassem ser eleitos para salvação, após Deus ter firmado esse convênio, precisavam se tornar filhos e filhas de Abraão.

Abraão teve filhos – e dois deles são Isaque e Ismael. Em Isaque foi perpetuado o convênio. Jacó, cujo nome foi mudado por Deus para Israel, filho de Isaque, recebeu as mesmas promessas. Os filhos de Jacó, as Tribos de Israel, se tornaram o povo eleito para salvação.

Esse foi um tema importante no Êxodo, quando o povo escolhido precisou sair do Egito. Entretanto, por muito tempo Israel, negou sua origem divina e sua responsabilidade como filhos do convênio. Eles misturaram-se de modo ilegítimo com nações iníquas. O Senhor dispersou Israel e misturou o sangue do povo eleito com outros povos (Deut. 28:25, 37-64)

Na época do Salvador os poucos membros de Israel que sobravam na Palestina se orgulhavam de seus ancestrais profetas – mas esqueciam-se que esses mesmos profetas haviam profetizado que a verdade chegaria a outras nações, mesmo as nações gentias. Eles não se esforçavam para levar o conhecimento da lei de Deus a outros povos. Embora a conversão fosse possivel, era muito rara.

Isso mudou com o comissionamento divino de Jesus a seus apóstolos, quando Ele ressuscitou. Ele disse:

E disse-lhes: Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda criatura. Quem crer e for batizado será salvo; mas quem não crer será condenado. (Marcos 16:15-16)

Não muito tempo depois, munidos do Espírito Santo (Atos 2), e com a garantia de que Deus a ninguém considerava imundo (Atos 10), os apóstolos viajaram e levaram o evangelho ao mundo. Paulo se destaca neste assunto. Ele foi um “vaso escolhido”. Ao explicar sobre a eleição, ele disse:

“nem todos os que são de Israel são israelitas; Nem por serem descendência de Abraão são todos filhos; mas: Em Isaque será chamada a tua descendência. Isto é: não são os filhos da carne que são filhos de Deus, mas os filhos da promessa são contados como descendência.” (Romanos 9:6-8)

Ele também recordou que os antigos profetas falaram sobre a entrada dos gentios no convênio. Ele disse:[

“Como também diz em Oseias: Chamarei meu povo ao que não era meu povo; e amada, à que não era amada. E sucederá que, no lugar em que lhes foi dito: Vós não sois meu povo; aí serão chamados filhos do Deus vivo.

Também Isaías clamava acerca de Israel: Ainda que o número dos filhos de Israel seja como a areia do mar, o remanescente será salvo.” (Romanos 9:25-27)

Paulo também disse que os gentios convertidos são abençoados com o convênio de Abraão:

“Ora, tendo a escritura previsto que Deus havia de justificar pela fé os gentios, anunciou primeiro o evangelho a Abraão, dizendo: Todas as nações serão benditas em ti. De sorte que os que são da fé são benditos com o crente Abraão.” (Gálatas 3:8-9)

E ainda disse que sem Cristo tal não seria possível, pois “para que a bênção de Abraão chegasse aos gentios” era necessário “Jesus Cristo” e a fé nele que “nós recebamos a promessa do Espírito” (Gálatas 3:14).

Uma pessoa pode receber todas as bênçãos do convênio Abraâmico, mesmo que não seja descendente literal de Abraão, obedecendo às leis e ordenanças do evangelho (ver Gálatas 3:26–29; 4:1–7; D&C 84:33–40). De fato, quando uma pessoa é batizada ela se torna merecedora das bênção de Abraão e passa a ser de sua família. Eis o conceito de “adoção” do qual as escrituras e profetas falam.

Graça, Obra missionária, Chaves do Sacerdócio, Casamento Eterno e Chamado e Eleição

Existem muitos outros importantes temas associados a eleição, dos quais não poderei discorrer neste momento devido ao curto espaço disponível neste artigo.

Mas resumirei brevemente eles.

O primeiro é a graça. Sem a graça de Cristo – seu poder compensador, fortalecedor e complementador – não seria possível ser salvo. Não haveria efetividade nas ordenanças – que seriam consideradas obras mortas. Não haveria esperança e ressurreição. A pregação seria vã. Ninguém poderia se arrepender. o Plano seria destruído.

“Portanto, quão importante é tornar estas coisas conhecidas dos habitantes da Terra, para que saibam que nenhuma carne pode habitar na presença de Deus a menos que seja por meio dos méritos e misericórdia e graça do Santo Messias, que dá a sua vida, segundo a carne, e toma-a novamente pelo poder do Espírito, para poder efetuar a ressurreição dos mortos, sendo ele o primeiro a ressuscitar.” (2 Néfi 2:8)

A obra missiona´ria fica explicita neste versículo: “quão importante é tornar estas coisas conhecidas”. De fato, conforme o Profeta Joseph Smith ensinou, não existe dever maior que pregar o evangelho. É por meio da pregação que as pessoas podem ser levadas ao conhecimento de sua origem divina, e receber as promessas dadas na vida pré-mortal.

Quando uma pessoa se converte e é batizada, ela se torna filha de Abraão – e é reconhecida como pertencente a uma tribo específica da Casa de Israel. Como membro da Casa de Israel ela tem o dever de ajudar na Coligação da Israel dispersa. A coligação física é vital para o cumprimento das profecias – e está em andamento acelerado. Mas a coligação espiritual à Cristo é a final e derradeira união. Não se trata apenas de entrar para Igreja, mas de se tornar um com Ele.

Daí as chaves e ordenanças do sacerdócio são necessárias. Para alcançarmos a eleição eterna precisamos da autoridade do sacerdócio, das ordenanças, inclusive o Casamento Celestial. Sem essas bênçãos Deus não pode confirmar nossa eleição. O Profeta Joseph Smith ensinou:

“Depois que a pessoa tem fé em Cristo, arrepende-se e é batizada para a remissão dos pecados, recebendo a imposição das mãos para o dom do Espírito Santo, que é o primeiro Consolador, e continua humilhando-se ante Deus, tendo fome e sede de justiça e vivendo de acordo com todas as palavras de Deus, o Senhor em breve lhe dirá : “Filho, serás exaltado . ” Quando o Senhor o tiver provado em todas as coisas, e visto que está resolvido a servi-Lo, aconteça o que acontecer, esse homem verá que seu chamado e eleição foram confirmados . ” (Ensinamentos de Joseph Smith, pg. 146)

Essa eleição é a que devemos buscar continuamente. Sejamos descendentes ou não dos patriarcas, Deus deseja salvar-nos – e vai fazê-lo – se o permitirmos. Daí seremos eleitos para vida eterna – a maior bênção que Ele pode nos oferecer.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *