Por que o Livro de Mórmon fala tanto de Jesus Cristo?

  “E falamos de Cristo, regozijamo-nos em Cristo, pregamos a Cristo, profetizamos de Cristo e escrevemos de acordo com nossas profecias, para que nossos filhos saibam em que fonte procurar a remissão de seus pecados”. 2 Néfi 25:26

Informações iniciais

Os leitores não familiarizados com o Livro de Mórmon ficam, por vezes, surpresos em saber que do começo ao fim, o livro é sobre Jesus Cristo. É um antigo registro cujo objetivo declarado é convencer todas as pessoas “que Jesus é o Cristo, o eterno Deus, manifestando-se a todas as nações” (Página título). Além disso, seus escritos proféticos foram comissionados pelo próprio Jesus Cristo para ensinar a verdadeira doutrina e prestar testemunho de sua realidade, divindade e missão messiânica salvadora.

Jesus ordenou: “E ordeno-vos que escrevais estas palavras” (3 Néfi 16:4); “dai ouvidos às minhas palavras; escrevei as coisas que vos disse”; (3 Néfi 23:4); “escrevei as coisas que vistes e ouvistes” (3 Néfi 27:23). O Livro de Mórmon é intencionalmente focado em Cristo para poder cumprir estes mandamentos específicos e seu objetivo declarado. Ele realiza tudo isso em vários níveis diferentes. Considere os seguintes pontos:

Histórico

“O Guardião”, de Jorge Cocco.

O Livro de Mórmon é uma coleção de registros antigos criado, compilado e resumido por profetas sagrados. Em vez de simplesmente contar as experiências passadas dos seus povos, estes profetas inspirados sempre selecionaram de modo cuidadoso e apresentaram material histórico de uma maneira que edificaria a fé no Senhor Jesus Cristo.

Por exemplo, no que se refere a finalidade geral do seu registro, o profeta Néfi explicou: “nada escrevo nas placas, salvo o que considero sagrado” (1 Néfi 19:6). Em outra ocasião Néfi declarou: “E falamos de Cristo, regozijamo-nos em Cristo, pregamos a Cristo, profetizamos de Cristo e escrevemos de acordo com nossas profecias, para que nossos filhos saibam em que fonte procurar a remissão de seus pecados”(2 Néfi 25:26).

Mórmon, o principal editor e compilador do livro, também escolheu determinados registros porque elas continham “as profecias sobre a vinda de Cristo” (Palavras de Mórmon 1:4). Ao relatar sobre guerras, fomes, migrações, agitação política, épocas de paz, de dissensões, conflitos religiosos ou qualquer outro tópico, Mórmon sempre ajudou os leitores a aprender lições com informações relevantes para o verdadeiro evangelho de Cristo.

Narrativas

O Cativeiro de Alma: “No fel da Amargura”, de Tiffany Brazell.

Embora o Livro de Mórmon seja principalmente um registro histórico, não é apenas uma coleção de fatos históricos. Juntamente com sua apresentação da história, ele conta histórias sobre profetas e seus ministérios entre as pessoas. Assim como a Bíblia, os eventos e detalhes destas histórias estão cheios de simbolismo espiritual. Por exemplo, a história de conversão de Alma, o filho, tipifica o processo espiritual de nascer de novo por meio do poder da expiação de Cristo.

Outras histórias, como os relatos dos anticristos como Neor e Corior, demonstram as terríveis consequências de se rejeitar Jesus Cristo.

No final do livro, os leitores são capazes de ver claramente o contraste entre aqueles que seguem os ensinamentos de Cristo e aqueles que não seguem. Indivíduos, famílias e sociedades que abandonam Cristo, distorcem seus ensinamentos ou rebelam-se contra Deus vez após vez colhem as recompensas de confusão espiritual, sofrimento e destruição. Por outro lado, aqueles que seguem a Cristo encontram paz e felicidade, mesmo nas mais difíceis circunstâncias.

Sermões e ensinamentos

“A Verdadeira Doutrina”, de Michael T. Malm. Imagem via biblioteca de mídia SUD

Discursos doutrinários de vários profetas são intercalados com frequência ao longo das narrativas históricas do Livro de Mórmon. Esses ensinamentos também estão centrados em Jesus Cristo e em Sua expiação. Em muitos casos, é claro que a seleção inspirada de conteúdo histórico era para adicionar contexto e significado a esses sermões centrados em Cristo. Esses discursos fornecem os meandros que explicam quem Jesus Cristo realmente é e o que significa ter fé autêntica Nele. Eles também estabelecem as nuances da verdadeira doutrina de Cristo e esclarecem a natureza e a finalidade dos Seus mandamentos.

O motivo

O Livro de Mórmon fala muito sobre Jesus Cristo, por muitas razões. Primeiro e acima de tudo, seus primeiros escritores tiveram sonhos, visões e revelações que lhes ensinaram sobre a identidade, o caráter e a importância de Jesus Cristo. Eles compreenderam as coisas claras e preciosas que foram obscurecidas ou perderam-se em textos bíblicos sobreviventes. Esses profetas conheciam o Senhor por mais de setenta nomes e títulos: Messias, Redentor, Santo de Israel, Jeová, Salvador, Pastor, Filho, Senhor dos Exércitos, Senhor Deus Onipotente e muitos mais. Esse poder vem do próprio Jesus Cristo, pois Mórmon ensinou que “tudo o que impele à prática do bem e persuade a crer em Cristo é enviado pelo poder e dom de Cristo” (Morôni 7:16).

Com todas estas considerações em mente, não é de admirar que o Livro de Mórmon é todo sobre Cristo. É somente por meio de Cristo que podemos ser salvos e exaltados. É somente por meio Cristo que podemos ressuscitar. É somente por meio de Cristo que podemos ter verdadeira paz e felicidade neste mundo e no mundo vindouro. Sua vida e missão são a parte central dos propósitos de Deus para cada um de Seus filhos. Ao banquetearmo-nos muitas vezes com as páginas do Livro de Mórmon, vamos reconhecer e apreciar de modo mais pleno o papel central de Cristo no plano de Deus. Entenderemos o que devemos fazer para segui-Lo. E encontraremos maior força espiritual para fazê-lo.

Fonte: BookOfMormonCentral

Relacionado:

7 evidências que mostram que Joseph Smith não escreveu o Livro de Mórmon

História de quando Justin Bieber recebeu um Livro de Mórmon

The post Por que o Livro de Mórmon fala tanto de Jesus Cristo? appeared first on maisfe.org.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *