Terapeuta responde: Meu cônjuge me trai e se arrepende, sou obrigado a perdoar?

Na minha experiência ao trabalhar com casamentos abalados pelo adultério de um parceiro, eu vejo padrões. Emoções, expectativas, perguntas e lutas que aparecem vez após vez. O padrão mais frequente entre os casais santos dos últimos dias nesta circunstância envolve um cônjuge infiel que confessa à autoridade do sacerdócio, sofre um conselho disciplinar e toma (ou está tomando) os passos necessários para que suas bênçãos sejam restauradas a eles. Caso após o caso, eles sentem que fizeram o suficiente para ser perdoado e não conseguem entender por que seu parceiro não pode “simplesmente deixar pra lá”. O senhor me perdoou, eles raciocinam, então por que não meu cônjuge não me perdoa?

O parceiro traído não tem o dever do evangelho de perdoar o cônjuge arrependido? Se sim, como? Se não, por quê? Os passos necessários para o arrependimento na Igreja se alinham com o que é necessário para se arrepender no casamento? Vou abordar essas perguntas aqui brevemente.

O parceiro traído tem o dever do evangelho de perdoar o cônjuge arrependido?

A resposta curta é sim, Mas Isso pode não significar o que você acha que significa. Em uma revelação à Igreja, o Senhor Jesus Cristo falou muito claramente quando disse que “não cometerás adultério; e o que cometer adultério e não se arrepender será expulso. Mas o que haja cometido adultério e se arrepender de todo o coração e abandoná-lo e não mais o cometer, perdoarás; Mas, se o fizer outra vez, não será perdoado, mas será expulso”. (Doutrina e Convênios 42:24-26).

Agora, esta revelação foi indiscutivelmente dirigida aos élderes da Igreja, com a frase “expulso” implicando a disciplina da Igreja (embora possa se aplicar aos cônjuges também). Mas outra revelação aos membros da igreja é muito simples:

Eu, o Senhor, perdoarei a quem desejo perdoar, mas de vós é exigido que perdoeis a todos os homens” (Doutrina e Convênios 64:10).

Muitos arrependidos citam esta escritura quando esperam que seu cônjuge traído simplesmente esqueça tudo. Muitos cônjuges traídos sentem-se culpados porque lutam para aplicar esta escritura.

Mas o que significa perdão?

O perdão é deixar de ter amargura, raiva e ódio. É uma escolha diária, um processo. É como nós escolhemos para lidar todos os dias com a raiva e dor que vêm para cima. É deixar de ir de uma busca por vingança, retaliação e retribuição. Mas perdoar alguém e confiar neles são duas coisas diferentes. O perdão é dado livremente. A confiança deve ser merecida.

No conferência geral de outubro de 2018, o Apóstolo Jeffrey R. Holland afirmou:

“Perdoai, e sereis perdoados”, ensinou Cristo na época do Novo Testamento. E em nossos dias Ele disse: “Eu, o Senhor, perdoarei a quem desejo perdoar, mas de vós é exigido que perdoeis a todos os homens”. No entanto, é importante para alguns de vocês que estejam vivendo em verdadeira agonia entendam o que Ele não disse. Ele não disse: “Não vos é permitido sofrer uma dor real ou uma tristeza verdadeira devido às experiências arrasadoras que sofrestes nas mãos de outros”. Ele também não disse: “A fim de perdoar completamente, deveis vos envolver novamente em um relacionamento nocivo ou voltar a viver uma situação abusiva e destrutiva”. Mas, apesar das mais terríveis ofensas que podemos sofrer, podemos nos erguer acima de nossa dor quando trilhamos o caminho que leva à verdadeira cura. Esse é o caminho do perdão trilhado por Jesus de Nazaré, que convida a cada um de nós, dizendo: “Vem, segue-me”.

Cristo nos ordena como indivíduos a  perdoar os outros, se eles se arrependerem ou não. É o caminho para a paz pessoal. Ele ordenou a Igreja como uma instituição que perdoasse os pecadores se eles se arrependerem e não voltarem a cometer o pecado. Mas ele nunca nos ordena a ficar em uma relação tóxica. Ele nunca nos ordena a confiar em alguém que não merece confiança. É por isso que o processo de arrependimento na Igreja e o arrependimento em um casamento não parecem iguais.

Como o arrependimento na Igreja difere do arrependimento em seu casamento?

O arrependimento na Igreja requer a confissão a uma autoridade do sacerdócio, o abandono do pecado, geralmente um conselho disciplinar, a retirada de bênçãos e, com o tempo, a restauração das bênçãos, desde que o agressor permaneça no caminho reto e estreito. O arrependimento em um casamento é diferente.

Se você teve um caso, suas ações podem ter afetado os membros da ala, mas eles destruíram o coração de seu cônjuge. Não subestime o quão arrasadoras suas ações podem ser ao coração, à mente e à alma de seu parceiro. Isso causa trauma. Literalmente. Seu parceiro acreditava que seu mundo e seu casamento estavam seguros. Agora não está. Ele não sabe se eles jamais poderão acreditar em você novamente por causa da traição. Havia uma confiança em você antes de magoá-lo profundamente, e eles não conseguem simplesmente confiar em você de novo.

O arrependimento em seu casamento requer mais do que simples confissão e abandono. Você precisa ajudar sua família a se curar. Não é com tapinha nas costas que se repara um dano. Sobre pessoas que passaram por isso, um profeta disse:

“Haveis quebrantado o coração de vossas ternas esposas e perdido a confiança de vossos filhos, por causa de vossos maus exemplos diante deles; e os soluços do coração deles sobem a Deus contra vós. E por causa da severidade da palavra de Deus, que desce contra vós, muitos corações pereceram, traspassados por profundas feridas” (Jacó 2:35).

Como você pode acertar as coisas? Pode começar sendo humilde e responsável. Sejam quais forem os problemas de seu casamento, o seu cônjuge não fez você trair. Você fez uma escolha. É sua. Implore perdão. Permita que seu cônjuge expresse sua dor sem ficar defensivo. Seja transparente, honesto, amoroso e fiel. Seja compreensivo quando a dor ressurgir em vez de ser impaciente. Seu remorso precisa igualar a dor que causou para que seu cônjuge acredite que isso não acontecerá de novo.

Se você traiu ou foi traído, seu casamento pode se curar. Você pode se curar. Cristo é muito poderoso. Mas temos que percorrer o caminho específico para a cura. Que o Senhor os abençoe na jornada.

Fonte: LDSLiving

Relacionado: 

Terapeuta diz como lidar com raiva e gritaria no casamento

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *