Por que devemos respeitar e honrar a lei do país?

Você já jogou Uno? Uno é um jogo de cartas muito divertido. Minha filha ama jogar Uno. Jogamos com ela desde que ela tinha de 5 para 6 anos, e no começo era uma bagunça. Ela não entendia muito bem as regras, acabava fazendo algumas coisas erradas e virava aquela confusão na cabecinha dela.

Hoje ela já entende perfeitamente e consegue aplicar todas as regras do jogo. Apesar de ser um jogo bem simples, o Uno tem as suas regras como qualquer outro jogo. Agora imagina se não houvesse nenhuma regra, se fosse livre e cada um jogasse do seu jeito? Não ia dar certo e a diversão com certeza não seria a mesma.

Assim como no Uno temos regras para conseguir ganhar o jogo, o Evangelho de Jesus Cristo nos ensina que precisamos seguir leis e mandamentos para que possamos alcançar objetivos sagrados.

Todas as bênçãos que recebemos é porque cumprimos uma lei divina. Por exemplo, para ter saúde, vivemos a Palavra de Sabedoria, para conversar com o Senhor, fazemos orações, para receber respostas oramos e jejuamos. Tudo tem uma ordem e um objetivo.

São as leis espirituais que oferecem segurança e harmonia para a Igreja do Senhor.

Um dos mandamentos que precisamos viver é cumprir a lei do país em que vivemos. O Pai Celestial não se preocupa só com as leis espirituais.

Ele sabe que precisamos seguir leis terrenas em nosso cotidiano para que possamos ter segurança, saúde, ordem e para que possamos melhorar o ambiente em que vivemos por meio do nosso exemplo e influência positiva.

Liberdade Religiosa

Na revelação moderna de Doutrina e Convênios seção 134 aprendemos que os governos devem “garantir a todo indivíduo o livre exercício de consciência, o direito e domínio de propriedade e a proteção da vida”.

E apesar de muitos entenderem que não há relação entre as leis de um país e a religião, uma está ligada a outra. Ao estudar sobre esse mandamento, encontrei diversas explicações do Élder Dallin H. Oaks que é advogado, exerceu e ensinou direito e foi juiz na Suprema Corte de Utah.

Hoje, o Élder Oaks é um dos doze apóstolos de Jesus Cristo. E além de apostolo, sua formação acadêmica oferece autonomia para que ele fale sobre o assunto. Em julho de 2017, o Élder Oaks disse:

“Hoje, nenhum de nós pode ignorar a importância mundial da religião, na política, na resolução de conflitos, no desenvolvimento econômico, na ajuda humanitária e muito mais. Entender a religião e sua relação com as preocupações mundiais e com os governos é essencial para tentar melhorar o mundo em que vivemos”.

Honrar e respeitar a lei

Em uma das 13 Regras de Fé, que resume todas as crenças da Igreja de Jesus Cristo, lemos que “cremos na submissão a reis, presidentes, governantes e magistrados; na obediência, honra, e manutenção da lei”.

Quando vivemos a lei do nosso país somos um exemplo para as pessoas ao nosso redor e demostramos o nosso respeito pelos nossos governantes.

Mas não devemos ser totalmente submissos a essas leis quando elas entram em conflito com os ensinamentos de Jesus Cristo.

O Élder Oaks nos ensina o que fazer se ou quando estivermos frente a frente com esse tipo de situação:

“Embora todos os crentes reverenciem a lei divina, a maioria reconhece que a lei civil também é ordenada por Deus. O Senhor Jesus Cristo instruiu: ‘Dai, pois, a César o que é de César, e a Deus, o que é de Deus’ (Mateus 22:21). Como fomos ensinados sobre isso, devemos obedecer, na medida do possível, a ambos os sistemas de lei. Quando houver conflitos aparentes, devemos procurar harmonizá-los. Quando se tornarem verdadeiramente irreconciliáveis, devemos nos unir a outros de igual opinião num esforço para mudar a lei civil de modo a se tornar condizente com a divina. Em todos os casos, devemos ser bem ponderados antes de decidir — nas mais raras situações — desprezar uma delas em favor da outra”. (“The Boundary Between Church and State”, Segunda Conferência Jurídica e Eclesiástica Anual de Sacramento, outubro de 2015).

O Senhor espera que todos os que vivem o evangelho de Jesus Cristo, cumpram a lei e que orem por seus governantes. Temos o direito de nos opor a determinadas leis, mas devemos exercer o nosso direito como cidadão de forma pacífica e sempre respeitando as leis da nossa sociedade.

Defender as leis divinas

É comum divergir de opiniões, mas o Senhor espera que possamos respeitar o nosso próximo e que sempre busquemos as melhores atitudes para lidar com as nossas diferenças. E acima de tudo, Ele espera que todos os que vivem o Evangelho de Jesus Cristo defendam as leis divinas.

Agora que minha filha está com oito anos, estamos ensinando ela a jogar jogos mais complexos como War e xadrez. Da mesma forma que ensinamos as regras de qualquer jogo, ensinamos que ela deve respeitar as leis do país em que vivemos e que as leis de Deus devem estar em harmonia com as leis dos homens.

E o mais importante, ensinamos que não há lei nessa Terra que possa substituir as leis de Deus. 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *