O que significa viver em um ‘tempo sem precedentes’?

Algumas semanas atrás, eu estava escutando ao programa Music & the Spoken Word enquanto me preparava para o sacramento em meu lar. O programa comemorava 90 anos de sua transmissão, e a voz familiar de Lloyd Newell começou a compartilhar a “palavra proferida”, ele disse algo que me tocou.

Ultimamente, tornou-se comum falar sobre tempos sem precedentes. E embora seja verdade que muitos dos desafios que enfrentamos hoje, não sejam familiar para nós, somos consolados ao saber que desafios similares foram enfrentados, e sobrepujados, no passado.

Como diz a expressão, uma lâmpada se apagou, só que esta lâmpada não era apenas de compreensão, mas na verdade o brilho de uma sombra escura de estresse e exaustão, quando comecei a sentir que eu – e o mundo – não estávamos cambaleando completamente cegos neste momento de grande incerteza e novas situações.

Aquelas palavras ficaram em minha mente enquanto eu terminava de me preparar. Pensei em todas as pessoas desde os primeiros membros da Igreja aos homens e mulheres ao redor do mundo de todas as diferentes eras, que devem ter dito as mesmas palavras a si mesmos.

Há algo na expressão ‘sem precedentes’ no contexto em que tem sido usada pela mídia que a torna assustadora, como se ninguém soubesse o que fazer, e se estivéssemos cegamente tentando andar no escuro e em um lugar desconhecido.

Porém, de repente essas duas pequenas palavras “desafios similares”, me trouxeram luz ao perceber que no fundo, nenhuma experiência pela qual passamos é verdadeiramente sem precedentes.

“Sem precedentes” significa que não há exemplo de como proceder. Ninguém sabia exatamente como lidar com uma pandemia, em um mundo onde viajar entre país tornou-se fácil e necessário.

Ninguém sabia exatamente como lidar com todas as ramificações de tentar simultaneamente manter as economias e prevenir as pessoas de ficarem doentes.

Contudo, qual foi o precedente que o Salvador estabeleceu quando ele encarou um sofrimento imenso e uma situação nunca vivenciada?

a expiação

Ele continuou a passar um tempo com Seu Pai Celestial, Ele pensou no próximo, e Ele não deixou o medo guiar suas decisões. Estes são apenas alguns exemplos.

Talvez, ao estudarmos como Ele viveu Sua vida e reagiu às provações e às revoltas em torno Dele, começaremos a ver um padrão e precedente para como nós podemos seguir em frente.

Apesar Dele não nos dar instruções físicas sobre a melhor maneira de rastrear a COVID-19 ou um guia de passo-a-passo sobre como se recuperar de uma crise econômica, nosso Exemplo passou por experiências similares de solidão, perda, traição, frustração, dor ou qualquer outra coisa que nossa atual circunstância possa nos causar.

“Pois eis que eu, Deus, sofri essas coisas por todos, para que não precisem sofrer caso se arrependam; Mas se não se arrependerem, terão que sofrer assim como eu sofri; Sofrimento que fez com que eu, Deus, o mais grandioso de todos, tremesse de dor e sangrasse por todos os poros; e sofresse, tanto no corpo como no espírito — e desejasse não ter de beber a amarga taça e recuar — Todavia, glória seja para o Pai; eu bebi e terminei meus preparativos para os filhos dos homens” (Doutrina e Convênios 19:19-19).

Um precedente em desenvolvimento

O Salvador não somente nos deu um precedente sobre como podemos seguir em frente na escuridão, na confusão ou em tempos difíceis, mas aqueles que seguem o Seu exemplo, continuam a desenvolver aquele precedente.

Por exemplo, as histórias de Santos Volume 2: Nenhuma Mão Ímpia, que eu e meu esposo estamos ouvindo a alguns meses, surgiram em minha mente.

Pense nos primeiros Santos que diariamente enfrentavam o medo de violência, frustração, incerteza, e sentimentos de isolamento e distância da família e amigos que deixaram para trás.

Aqueles mesmos pioneiros encararam provações físicas não somente ao cruzar as planícies, mas quando chegaram no vale – fome, medo do governo, doença, desânimo e muitos outros sentimentos que podemos estar passando agora, apesar das causas serem diferentes.

Ainda assim, como aquelas pessoas escolheram seguir em frente e mesmo ao tempo encarar aqueles problemas, só aumenta o precedente que o Salvador estabeleceu: Temos tudo o que precisamos para seguir em frente com fé, e não importa o quão desolador pareça, o Salvador está lá para nos consolar e nos mostrar onde e como andar em segurança, em meio as provações, talvez até mesmo com um sorriso no rosto.

Como Newell também compartilhou, mesmo se o tempo passar e as pessoas, circunstâncias, tecnologias e vidas mudarem, “outras coisas nunca mudam. Não importa onde ou quando vivemos, todos precisamos de esperança e fé. Todos nós precisamos ser encorajados, elevados e inspirados. Sempre precisamos disso”.

Em meus momentos de escuridão, há algo que me consola ao saber que outras pessoas também tiveram os mesmos sentimentos.

Mesmo que meus ancestrais, nossos pioneiros, as pessoas nos tempos antigos, ou o Salvador não tenham passado fisicamente pela nossa condição específica de pandemia, crise financeira, desastres naturais ou causados pelo homem, morte, discórdia e inquietação, eles passaram por seus próprios desafios, sentimentos similares e saíram deles como pessoas melhores e mais fortes.

Seja qual for a combinação de desafios que você está passando agora, espero que saber que eles não são completamente sem precedentes traga a você um pouco de consolo e coragem também, enquanto você segue em frente para se tornar uma pessoa melhor e mais forte.

Fonte: LDS Living

Relacionado:

5 dicas para ministrar durante uma pandemia

 

The post O que significa viver em um ‘tempo sem precedentes’? appeared first on maisfe.org.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *