Por que Joseph Smith fez uma nova tradução da Bíblia?

“Vês, portanto, que depois de haver o livro passado pelas mãos da grande e abominável igreja, foram suprimidas muitas coisas claras e preciosas do livro, que é o livro do Cordeiro de Deus.” 1 Néfi 13:28

O conhecimento

Joseph Smith amava a Bíblia. Uma carta escrita por Joseph e outros líderes da igreja aos portadores do sacerdócio em 1834 declara:

“Todo aquele que pode reconhecer o poder da Onipotência, gravado nos céus, também pode ver a própria mão de Deus nos escritos do livro sagrado [a Bíblia]: E aquele que o lê com maior freqüência gostará mais dele, e aquele que o conhece reconhecerá a mão onde quer que a veja; e quando a descobrir, não apenas a reconhecerá, mas também obedecerá a todos os seus preceitos celestes.”

Embora ele reverenciasse a Sagrada Escritura, Joseph Smith também sabia do Livro de Mórmon que “foram suprimidas muitas coisas claras e preciosas do livro, que é o livro do Cordeiro de Deus.” (1 Néfi 13:28).

Em uma ocasião em 1843, o profeta resumiu seus sentimentos em relação à Bíblia, afirmando:

“Acredito na Bíblia como lida quando veio da caneta dos escritores originais; Os tradutores ignorantes, os transcritores descuidados ou os sacerdotes projetados e corruptos cometeram muitos erros.”

Mesmo enquanto o Livro de Mórmon estava sendo impresso, Joseph Smith e seus associados começaram tinham planos para completar uma tradução da Bíblia, destinada a corrigir muitos dos erros que haviam surgido no texto e restaurar muitas das verdades simples e preciosas que haviam sido perdidas.

Em 8 de outubro de 1829, Oliver Cowdery comprou um exemplar da Bíblia do Rei Tiago da Grandin Press, a mesma gráfica onde o Livro de Mórmon foi impresso.

Um estudo intensivo dessa Bíblia levou à criação da tradução de Joseph Smith, partes das quais são encontradas nas Escrituras como o Livro de Moisés, Joseph Smith – Mateus, e em centenas de notas de rodapé na versão dos Santos dos Últimos Dias da Bíblia.

O termo Tradução de Joseph Smith

O termo “Tradução de Joseph Smith” nunca foi usado durante a vida de Joseph Smith. Em  Doutrina e Convênios, o Senhor se referia ao trabalho como “nova tradução” (D&C 124:89).

O nome “Tradução de Joseph Smith”, abreviado como TJS foi criado na década de 1970, quando os líderes da igreja perceberam que a abreviatura NT (para nova tradução) seria confusa em notas de rodapé das escrituras, uma vez que esta é uma abreviação comum usada para o Novo Testamento.

A tradução de Joseph Smith não é uma tradução no sentido tradicional. Um estudioso descreveu a tradução como “o texto reformulado em uma nova forma por meio de inspiração do Espírito Santo”.

Embora Joseph Smith tenha eventualmente estudado um pouco de hebraico e usado um dicionário grego, sua tradução não consistia em tirar antigos textos hebraicos ou gregos e traduzí-los em inglês moderno.

Em vez disso, sua tradução é resultado de receber inspiração ao conduzir um estudo intensivo de palavra por palavra da Bíblia – seus ensinamentos, visões, revelações, perspectivas, leis, ordenanças, personalidades e potencialidades eternas – com mudanças implementadas para restaurar a intenção original dos escritores e tornar o texto mais compreensível para os leitores modernos.

Pode ser interessante: Por que fomos criados à imagem e semelhança de Deus?

O porquê

Não entender o que Joseph Smith e seus assistentes estavam tentando realizar pode nos levar a interpretar errôneamente o que a tradução de Joseph Smith é e como ela pode nos ajudar a obter uma compreensão mais profunda das Escrituras.

Scott Flauling, Kent Jackson e Robert J. Matthews, pesquisadores que estudaram a Tradução de Joseph Smith (TJS), colocaram as alterações feitas no texto bíblico em várias categorias.

Em alguns casos, a tradução foi uma restauração do texto original. Por exemplo, a totalidade de Moisés 1, encontrada e Pérolas de Grande Valor, não é apresentada no texto do livro de Gênesis.

A restauração de Moisés 1 para o cânon de escrituras traz de volta verdades essenciais sobre a natureza de Deus, a humanidade e Satanás em seus respectivos papéis dentro do plano de salvação.

A TJS às vezes serviu para restaurar o que já foi dito ou feito, mas que nunca foi apresentado na Bíblia. A TJS de Gênesis 14:25-40 contém uma descrição detalhada do Ministério de Melquisedeque, o rei do Salem.

Não sabemos se isso aparece no texto original de Gênesis, mas aparece no Livro de Mórmon em Alma 13 e serve como um importante pano de fundo para o papel de Melquisedeque na narrativa de Abraão em Gênesis.

A narrativa adicional nos ajuda a entender porque o nome de Melquisedeque foi associado ao “Santo Sacerdócio segundo a Ordem do Filho de Deus” (D&C 107:3).

Para uma melhor compreensão

Em muitas ocasiões, a TJS serviu para tornar a Bíblia mais compreensível para os leitores modernos.

Por exemplo, a TJS substituiu os pronomes ambíguos com nomes próprios, como em Gênesis 14:20, onde na versão do Rei Tiago lê “e lhe deu dízimos de tudo” mas é esclarecido na TJS onde lê-se “e Abram deu-lhe o dízimo de tudo”.

Para realizar esta parte do trabalho, alguns estudiosos argumentaram que Joseph e seus escribas podem ter consultado um dos comentários bíblicos de seus dias.

Joseph se interessou pelas línguas originais usadas na Bíblia e estudou um pouco de hebraico em Kirtland, depois Ele completou grande parte do trabalho da TJS.

Naquela época, ele uma vez registrou em seu diário, “minha alma se deleita em ler a palavra do Senhor no original, e estou determinado a perseguir o estudo das línguas até tornar-me mestre delas.”

Nesse sentido, o trabalho do Profeta da Bíblia encorajou as pessoas a seguir seu exemplo em seu estudo, combinando fontes espirituais e acadêmicas de informação e verdade.

Uma tradução da Bíblia para a instrução dos santos

Quarto, as alterações feitas na TJS servem para trazer a redação bíblica em harmonia com as verdades encontradas em outras partes da Bíblia ou em revelações modernas. Por exemplo, o texto do Rei Tiago de João 1:18 lê: “Nenhum homem viu a Deus em qualquer tempo”.

Este ensinamento é confuso e contradiz um número justo de passagens nos antigos e novos testamentos, bem como as experiências do Profeta Joseph Smith na primeira visão e em outras ocasiões. A revisão inspirada deste verso lê:

“E ninguém jamais viu a Deus, sem que ele desse testemunho do Filho; porque a não ser que seja por intermédio dele, nenhum homem pode ser salvo”, enfatizando o papel divino de Deus o Pai como testemunha em nome do Filho (TJS João 1:19).

Por fim, às vezes a TJS inclui mudanças úteis para os leitores modernos que não foram escritos pelos autores originais.

O Élder Bruce R. McConkie, observando as diferenças entre os primeiros capítulos de Gênesis e aqueles na TJS declarou, “ambos são verdadeiros”.

Ele também afirmou sua crença de que João 1 na Bíblia “é verdadeira”, mas que a TJS da mesma passagem fornece “uma perspectiva inteiramente diferente”, acrescentando: “Estas são ilustrações do fato de que pode haver duas traduções da mesma coisa e ambas podem ser verdade”.

Um exemplo frequentemente citado disso encontra-se em Romanos 13, onde Paulo escreve sobre a obrigação dos santos de se submeter a poderes seculares. A TJS reescreve essa passagem para aplicá-la à cooperação com as autoridades da igreja.

É provável que ambas as passagens sejam corretas e que a revisão da TJS seja uma revelação destinada a instruir os santos modernos (ver TJS-Romanos 13:6-7) .

Joseph e a uma nova tradução da Bíblia

Embora Joseph Smith tenha concluído inicialmente os manuscritos da TJS em 1833, ele nunca deixou inteiramente a tradução para trás, e seu estudo das Escrituras era algo diário em sua vida até a sua morte em 1844.

Enquanto os santos dos últimos dias rejeitam o conceito de cânone fechado, eles também apoiam o cânone escriturístico estabelecido como a fundação de sua fé.

Em uma ocasião, Joseph Smith segurou uma uma Bíblia no alto e declarou:

“Acredito neste volume sagrado. Nele a fé ‘mórmon’ é encontrada. Não ensinamos nada além do que a Bíblia ensina. Não acreditamos em nada, mas o que é encontrado neste livro”.

As páginas desgastadas e marcadas de sua Bíblia demonstram a grande devoção do Profeta à Bíblia, seus ensinamentos e seu papel como acesso à mente de Deus.

Fonte: Book Of Mormon Central

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.