5 Erros que cometemos com relação ao pecado

Ninguém gosta da pavorosa palavra ‘pecado’.  Porém, vamos discutir um pouco sobre ela.

O pecado é uma parte natural da vida. Nós sabíamos que pecaríamos ao virmos para terra, assim como Deus também sabia.

E ele nunca se surpreenderá quando você pecar, e o propósito de Jesus Cristo é nos salvar desse pensamento mórbido.

A maioria do que falamos na Igreja envolve pecado e arrependimento, mas existem algumas coisas que devemos saber e que se perdem na tradução.

Erro N. º 1: Achar que o pecado é relativo

Com exceção de negar o Espírito Santo, não há pecado do qual não possamos nos arrepender, se verdadeiramente desejarmos. Conheço pessoas que já cometeram assassinato, se arrependeram e foram batizados para a remissão de pecados.

Uma pessoa que é viciada em pornografia, não é pior aos olhos de Deus do que alguém que rouba, trai ou é violenta.

É verdade, alguns pecados têm consequências mais extremas do que outros, especialmente quando eles afetam as pessoas ao nosso redor – mas pecado é pecado, e Deus espera que cada um de nós, com Sua ajuda, vençamos o pecado.

Uma vez, minha mãe me contou uma história sobre o meu avô. Era domingo, eles estavam sentados no típico banco que costumavam se sentar, quando dois visitantes que cheiravam a cigarro, apareceram e sentaram no banco na frente deles.

Aquele cheiro flutuava pelo ar, e não demorou até que as mulheres sentadas a duas fileiras atrás, começassem a cochichar e a julgar o cheiro do casal.

Quando meu avô finalmente não aguentou mais ouvir aos comentários delas, ele virou para trás e disse: “Você não ficam felizes que ninguém pode cheirar os seus pecados?”

Eu gostaria de estar lá para ver a cara delas! Minha mãe aprendeu (e me ensinou) uma lição valiosa através dessa experiência: Você não tem direito de julgar, somente porque os pecados deles são diferentes dos seus.

Erro N.º 2: Colocar todos nos mesmos padrões de convênio

Durante minha infância, minha melhor amiga não era membro da igreja, e uma de suas coisas favoritas era (bom, ainda é) café.

Me lembro de conversar sobre isso com a minha mãe, e ela me dizer, “Não é pecado ela beber café, já que ela não fez os mesmos convênios que você fez com Deus.” Aquilo abriu os meus olhos!

Claro, minha amiga bebia café e aquilo não era pecado. Como membros da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, prometemos a Deus que iriamos seguir a Palavra de Sabedoria, mas minha amiga não havia feito aquela promessa.

Às vezes, quando fazemos convênios, colocamos todas as pessoas no mesmo padrão que nós. Mas cada um está em um caminho diferente, e precisamos aceitar aonde eles estão em suas jornadas.

Devemos encorajar e fortalecer quando necessário, mas nunca minimizar.

Erro N.º3: O mal uso do sentimento de culpa

encontrar a verdade, síndrome de impostor

Quando eu era missionária, era fácil me diminuir. Eu constantemente pensava no que eu poderia melhorar, mas quase nunca pensava no que eu já tinha.

Um dia, depois de uma conferência de zona, a enfermeira da missão perguntou para mim e para a minha companheira como estávamos. Fisicamente, estávamos ótimas, então, respondemos positivamente.

Então, ela perguntou como estávamos nos sentindo mentalmente. Minha resposta não foi tão animada.

Nunca me esquecerei do que ela disse em seguida, “Sisteres, me escutem. Vocês estão usando o sentimento de culpa errado. Você usam para se martirizarão invés de deixar com que as motive a se arrepender e a seguir em frente.”

Fiquei atordoada. Mas ela estava 100% correta. A culpa é uma emoção dada por Deus, que foi feita para nos inspirar a mudar, e não para nos sentirmos envergonhados. Use-a de maneira apropriada.

Erro N.4: Ter uma visão negativa do arrependimento

Por muito tempo pensei que o arrependimento era amedrontador – algumas vezes, ainda penso. Mas, acho que é importante entender que é por isso que estamos aqui, e é por isso que Cristo morreu.

Tem uma página no meu diário da missão que diz, “O arrependimento É o plano.” Não me lembro quem disse isso, mas obviamente aquilo me marcou.

Sem o arrependimento, nunca teríamos a capacidade, ou a oportunidade de nos tornarmos com o Pai Celestial.

Se esforce para não ter medo do arrependimento, mas busca-lo ao máximo. Veja o arrependimento como o dom que ele é.

Erro N.5: Reter o perdão de nós mesmos

Em minha opinião, um dos erros mais fáceis de cometermos é buscar o perdão de Deus, mas não o perdão próprio. Se você ainda sente vergonha de algo que fez, você provavelmente não se perdoou por completo.

Isso se tornou evidente para mim, em uma experiência que tive com uma colega de quarto. Vamos chama-la de Jane.

A Jane se tornou uma amiga muito próxima.  Eu sentia que podia falar de qualquer coisa com ela, e ela sentia o mesmo sobre mim. Então, um dia ela me confidenciou algo sobre um de seus pecados passados.

Eu não acreditava que ela havia compartilhado algo tão pessoal, mas ela não se sentia envergonhada. Ela simplesmente reconhecia o que era, e sabia que aquilo havia passado – e que Deus havia cuidado daquele assunto.

Então, percebi que havia algumas coisas na minha vida que eu precisava resolver. Eu sabia que Deus havia me perdoado, mas ainda sentia muita vergonha do que tinha feito.

Naquele momento, resolvi deixar tudo para trás.  Jane me ensinou que ela havia aprendido com seus erros, e me ajudou a enxergar os meus pecados passados como lições também.

Quando o pecado contaminar a sua vida, não se esqueça que:

  1. O pecado não é relativo.
  2. Use a culpa corretamente.
  3. Não confunda convênios com mandamentos.
  4. Veja o arrependimento como algo positivo.
  5. Você também precisa se perdoar!

Fonte: ThirdHour

Relacionado:

Élder Bednar compartilha os 3 requisitos do arrependimento sincero

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *