Lições que aprendi com meu pai

O dia dos pai chegou e é tão fácil escrever sobre o meu pai. Em minha casa, há dois pais: minha irmã que é um pouco pai e nosso próprio pai que é um pouco mãe também. Legal isso não é? Explico como tudo funciona aqui.

Desde que minha mãe faleceu em 2008, quando eu tinha 12 anos, meu pai se desdobrou em dois e se tornou também mãe. Minha irmã, se desdobrou também e além de irmã é um pouco mãe e pai também. Clichê eu sei, mas há muito amor aqui.

Não somos uma típica família que troca beijos e abraços acrescidos de eu te amo frequentes, mas somos uma família que se ama sem nenhuma dúvida. Sabe por que? Porque amor é presença e bem, de presença meu pai entende um bocado!

Estar Presente

Alguns dias atrás eu senti dores fortes e precisei ir às pressas para o hospital. E meu pai já estava dormindo. Mas sabe como são os pais… Ele não murmurou, ele levantou, pegou o carro e fomos para o hospital. Já era madrugada quando regressamos para nossa casa. Mesmo com o frio, com a interrupção do sono e com o cansaço que ele estava, ele não se zangou, ele simplesmente se fez presente – ele verdadeiramente amou.

Essa mesma cena se repetiu mais outra vez e mais outra vez não vi raiva por eu estar incomodando ele, pelo contrário, eu vi amor em cada ação sua – enquanto me levava, enquanto fazia minha ficha no hospital, enquanto aguardava eu ser medicada naquela sala fria… Sua preocupação era tão nítida, bem como seu amor.

E então você poderia pensar que era o mínimo que um pai poderia fazer ao ver um filho doente. De fato, estar presente nesses momentos é algo muito óbvio e até é esperado que isso seja feito. Porém, ele sempre esteve aqui, ao meu lado.

Quando eu me inscrevi para o vestibular, ele foi me levar e aguardou-me nas longas horas de prova. Não tínhamos muito dinheiro na ocasião, mas ele tratou de podermos fazer um bom lanche naquele dia, eu me lembro até hoje…

Ou quando eu consegui uma bolsa de estudos em São Paulo, ele não mediu esforços para me levar até lá, mesmo não concordando tanto com minha decisão. Ao fim, quando aquela bolsa não deu certo, ele não se zangou por não ter dado certo, por termos perdido tempo e dinheiro. Ele apenas disse: Porque não era para ser aqui.

São coisas tão mais simples, mas eu posso sentir a presença dele.

Momentos

Sempre amei andar de bicicleta e era cada aventura que ele entrava comigo, que vocês nem acreditariam…Foi ele que me ensinou a andar de bicicleta inclusive. Era cada economia para irmos “turbinar” a bicicleta aos sábados de manhã… Eu amava ir a bicicletaria com ele. E aos domingos, depois de almoçar, tínhamos então boas horas para pedalar juntos pela cidade calma do interior de Minas.  Isso parece cena de filme… Era tão incrível.

E lavar o carro? Era incrível demais! Eu sempre molhava ele, ele sempre dizia: “ôh Inaê vai me molhar!” Mas depois sempre ríamos daquilo. Ainda temos aquele carro e eu nunca disse isso pra ele, mas acho que amaria lavar  o carro com ele como fazíamos antes…

Ele me ensinou a fazer “mentiras” . Mentira é uma massa feita de polvilho azedo, água, ovo e sal que pode ser frita ou assada. Não tem uma aparência muito bonita, mas o sabor… Ah, o sabor… Você precisa experimentar.

Meu pai também me ensinou a fazer bolinhos de chuva. Sim, aqueles bolinhos de farinha de trigo que todo mundo ama sabe?  

Meu pai me ensinou a não dar um passo maior que a perna – eu preciso economizar e nunca gastar mais do que eu ganho. E algo que ele sempre diz: Antes ter poucos bens e pouca preocupação que ter muitos bens e muita preocupação. Em um mundo consumista, economia é sabedoria!

Foi com meu pai que eu descobri que Deus existe, é só você conversar com meu pai por 5 minutos que você descobrirá também. Meu pai é um exemplo do que é ser católico. Ele não falta a missa uma semana sequer, por exemplo. De manhã, bem cedo, ele já está lendo a Bíblia e frequentemente o vejo assistir a missas na televisão também. Meu pai entendeu que ser cristão não é algo que fazemos aos domingos, ser cristão é uma escolha para todos os dias da semana, para toda a vida.

Discutir? Não, não adianta nada. Antes perder uma discussão que a voz. Não precisamos ter razão sempre. E meu pai entendeu isso e acho que eu comecei a entender também.

Meu pai entendeu que fazer tarefas de casa não transforma ele em uma mulher ou o faz menos homem que os outros. Ele sempre  faz algo em casa, como lavar os banheiros, a cozinha, o quintal ou a garagem. E acredite: ele é nosso cozinheiro oficial, durante  semana é ele quem cozinha.  Aliás, devo dizer que ele faz um macarrão que eu apostaria que sua mãe não faz um igual.

Meus pais ficaram casados por 25 anos(eles fizeram 25 anos de casados no ano em que minha mãe faleceu) e durante os 12 anos que os vi juntos, entendi que o casamento é difícil, tem dificuldades enormes, mas se houver cumplicidade e amor, a união poderá se perpetuar para a eternidade. Entendi que a família é a instituição mais sagrada que o Pai Celestial poderia criar. E tudo isso eu compreendi porque nasci de bons pais, que me ensinaram pelo exemplo.

Com meu pai descobri que tudo bem se você ficar bravo e estressado às vezes, afinal, ninguém é de ferro  todos temos sentimentos. Ele,por exemplo, se estressa diariamente. Mas isso não é motivo para gritos ou ficarmos dias sem falarmos uns com os outros No dia seguinte, tudo está bem. Afinal, “tudo é belo em derredor, com amor no lar.”

Professor

Ao contrário de muitas famílias, meu pai nunca sentou comigo para falar de namoro, família, estudos, carreira ou dinheiro, mas ele me ensinou tudo isso pelo exemplo. É como uma velha frase que eu li uma vez e nunca me esqueci:  “suas ações falam tão alto, que não consigo ouvir o que você diz”. É exatamente isso, tudo que ele faz é um grande e poderoso sermão.

Meu pai tem 59 anos hoje é pedreiro, eletricista, encanador, pintor e tudo o que você imaginar na área de construção civil ele sabe fazer. É Católico, pai de duas filhas, avô de 5 netos e meu grande exemplo. Sei que minha mãe está orgulhosa do homem que escolheu para liderar nossa família e sei que um dia nos reuniremos como família, para nunca mais nos separarmos.

Hoje é apenas uma data, mas o dia dos pais acontece cada dia para mim, pois ele está sempre presente. Ao finalizar esse texto com o coração cheio de gratidão e amor, posso lembrar-me de alguns versos que eu cantava com ele e minha mãe aos pés da cama antes de dormirmos:

“Que a família comece e termine sabendo onde vai

E que o homem carregue nos ombros a graça de um pai

Que a mulher seja um céu de ternura, aconchego e calor

E que os filhos conheçam a força que brota do amor.”

(Versos da música “Oração pela Família”, de padre Zezinho)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *