O ataque de Satanás às mulheres

Algo aconteceu no Jardim do Éden que definiu a frente de batalha da guerra contínua entre o bem e o mal. Quem estão na frente de batalha? As mulheres e seus filhos. Eles se tornaram os principais alvos de Satanás, o que levou Deus a estabelecer uma rede de proteção.

Depois que Adão e Eva comeram do fruto proibido, o Pai e o Filho apareceram para deter Satanás e sua trama diabólica para levar o homem e a mulher à Árvore da Vida. Se esse primeiro casal tivesse comido daquele fruto, eles teriam vivido para sempre em seus pecados e ficariam sujeitos ao diabo para sempre, e como Deus decretou, eles morreriam, Ele teria se tornado um mentiroso e deixado de ser Deus (Alma 12: 23-26). Satanás está sempre tentando nos destruir e tomar o reino de Deus.

O Pai previu esta crise e providenciou imediatamente uma ação para frustrar os planos de Satanás e mandá-lo para um lugar limitado. Observe o que o Pai utiliza ao repreender Satanás: “E porei inimizade entre ti e a mulher, entre a tua descendência e o seu descendente” (Moisés 4:21).

É interessante como Adão não é mencionado aqui. As mulheres e seus filhos são a preocupação do Pai, sugerindo que Ele antecipou o alvo do ataque de Satanás.

“Toná-los miseráveis”

Satanás já havia feito um ataque contra a mulher. Quando ela foi separada do marido (nunca é uma boa idéia para nenhum casal), o diabo a enganou para comer do fruto proibido. Naturalmente, nos é dito nos registros que Satanás “não conhecia a mente do Senhor” ou como esse evento contribuiria para propósitos divinos. No entanto, o plano de Satanás era “destruir o mundo” (Moisés 4: 6) destruindo primeiro a mulher.

A intenção do inimigo era tornar sua vida miserável, travando uma guerra total contra ela e seus filhos. Felizmente, o Pai interferiu e colocou inimizade entre a mulher, sua semente e o diabo. Então o Pai estabeleceu limites para a inimizade. Embora fosse permitido a Satanás ferir os filhos de Eva, um Filho emergiria de sua semente que feriria e venceria o diabo (Moisés 4:21).  Aquela criança, certamente, era Jesus Cristo.

Satanás sabia algo que deveríamos entender: Se ele pudesse derrotar a mulher e tirá-la de seu lugar, ele poderia ganhar a guerra; mas se ele a deixasse sozinha, ele estava condenado. Por quê? Porque ela tinha o poder de trazer o filho prometido junto com outros filhos justos para esmagar sua cabeça (Gênesis 3:15). Portanto, Satanás mirou diretamente na mulher para fazê-la tão miserável quanto possível. Sua estratégia era dupla: atacá-la de frente e atacá-la através de seus filhos.

João, o Amado, entendeu o que era a frente de batalha da guerra e, tomando emprestada a metáfora da mulher-criança, descreveu uma guerra terrível que seria cheia de “ferimentos” e culminaria com a completa derrota de Satanás. Personalizando a escritura para as mulheres, lemos como João retrata a batalha travada contra as irmãs e seus filhos e como Deus as protege.

E viu-se um grande sinal no céu: uma mulher vestida de sol, e a lua debaixo dos seus pés, e uma coroa de doze estrelas sobre a sua cabeça.

E estava grávida, e gritava, com dores de parto, e com ânsias de dar à luz.

E viu-se outro sinal no céu; e eis que era um grande dragão vermelho, que tinha sete cabeças e dez chifres, e sobre as suas cabeças, sete diademas.

E a sua cauda levava após si a terça parte das estrelas do céu, e lançou-as sobre a terra; e o dragão parou diante da mulher que havia de dar à luz, para que, dando ela à luz, lhe devorasse o filho.

E ela deu à luz um filho homem, que há de reger todas as nações com vara de ferro; e o seu filho foi arrebatado para Deus e para o seu trono.

E a mulher fugiu para o deserto, onde já tinha lugar preparado por Deus, para que lá fosse alimentada durante mil duzentos e sessenta dias. (Apocalipse 12:16, ênfase adicionada)

A origem do ataque

Desde o começo, Satanás se concentrou nas mulheres e em seus filhos. Agora João volta e nos mostra como e onde esse ódio pelas mulheres se originou.

E houve batalha no céu: Miguel e os seus anjos batalhavam contra o dragão, e o dragão e os seus anjos batalhavam;

Mas não prevaleceram, nem mais o seu lugar se achou nos céus.

E foi expulso o grande dragão, a antiga serpente, chamada o Diabo e Satanás, que engana todo o mundo; ele foi lançado na terra, e os seus anjos foram lançados com ele.” (Apocalipse 12: 7-9).

Observe que o Sacerdócio entrou em cena para proteger as mulheres e os filhos. Então regozijaram, a medida que o Sacerdócio empunhou suas armas para proteger as mulheres e derrotar Satanás.

E ouvi uma grande voz no céu, que dizia: Agora chegada está a salvação, e a força, e o reino do nosso Deus, e o poder do seu Cristo; porque já o acusador de nossos irmãos foi expulso, o qual diante do nosso Deus os acusava de dia e de noite.

E eles o venceram pelo sangue do Cordeiro e pela palavra do seu testemunho; e não amaram a sua vida até a morte” (Apocalipse 12: 10-11).

Naquela época e agora, o sangue do Cordeiro e o poder do testemunho são as armas do sacerdócio.

João continua sua narrativa descrevendo a guerra contra as mulheres e seus filhos quando ela foi transferida para a Terra.

Pelo que alegrai-vos, ó céus, e os que neles habitais. Ai dos que habitam na terra e no mar! porque o diabo desceu a vós, e tem grande ira, já sabendo ele que tem pouco tempo.

E quando o dragão viu que fora lançado na terra, perseguiu a mulher que dera à luz o filho homem.

E foram dadas à mulher duas asas de uma grande águia, para que voasse ao deserto, ao seu lugar, onde é sustentada por um tempo, e tempos, e metade de um tempo, fora da vista da serpente.

E a serpente lançou da sua boca, atrás da mulher, água como um rio, para que pelo rio a fizesse arrebatar.

E a terra ajudou a mulher; e a terra abriu a sua boca, e tragou o rio que o dragão lançara da sua boca.

E o dragão irou-se contra a mulher, e foi fazer guerra contra os remanescentes da sua semente, que guardam os mandamentos de Deus, e têm o testemunho de Jesus Cristo. (Apocalipse 12:17).

A linguagem nestes versos é fascinante. Satanás está em uma guerra implacável contra as mulheres e sua semente, mas Deus lhe dá o poder de fugir, um abrigo seguro e fortalecido. Como isso é alcançado? Segundo todos os relatos, Deus coloca a responsabilidade pelo bem-estar da mulher e de seus filhos no homem.

pessoas que nao aguentam ficar na igreja

O papel do Sacerdócio

Depois que Deus colocou inimizade entre a mulher, sua semente e Satanás, coube a Adão usar seu sacerdócio para proteger sua esposa e família. A Família Uma Proclamação ao Mundo ”usa o seguinte para definir a obrigação do homem de apoiar e proteger sua esposa e seus filhos dos ataques de Satanás:

Segundo o modelo divino, o pai deve presidir a família com amor e retidão, tendo a responsabilidade de atender às necessidades de seus familiares e de protegê-los A responsabilidade primordial da mãe é cuidar dos filhos. Nessas atribuições sagradas, o pai e a mãe têm a obrigação de ajudar-se mutuamente, como parceiros iguais.

Talvez nenhum povo tenha sido tão oprimido ou abusado como as mulheres. Basta apenas pesquisar a história e observar as culturas para reconhecer o sucesso de Satanás em travar sua guerra contra as mulheres. Muitas vezes elas não têm voz; freqüentemente, elas são vistas como cidadãs de segunda classe e servas, que não são iguais aos seus maridos. Elas foram rebaixadas, exploradas, maltratadas: elas até se tornaram o objeto sexual de homens carnais, sensuais e diabólicos.

Desde o início, a rede de proteção de Deus para a mulher é o sacerdócio: primeiro, seu marido bondoso e digno, segundo, o sacerdócio dentro da família inteira e, terceiro, a comunidade do sacerdócio em que ela vive. Seu marido deve as “necessidades da vida” prover para ela e seus filhos e proteger seus filhos. Essas necessidades e proteção excedem o temporal; necessidades espirituais e proteção são igualmente necessárias.

Sua rede de proteção do sacerdócio – seu marido, sua família e o sacerdócio em sua ala – é responsável por assumir a responsabilidade de cuidar da mulher e de seus filhos. De fato, nos é dito que a pureza do evangelho exige especificamente cuidar da mulher e de seus filhos que estão sendo atacados por Satanás: A religião pura e imaculada para com Deus, o Pai, é esta:

Visitar os órfãos e as viúvas nas suas tribulações, e guardar-se imaculado edo mundo.” (Tiago 1:27)

eu e minha casa serviremos ao Senhor

Conclusão

Meu objetivo ao escrever este artigo não é dizer que as mulheres sejam fracas e precisem ser mimadas. Pelo contrário, historicamente as mulheres provaram ser excepcionalmente fortes e valentes. Meu propósito não é dizer que as mulheres não possam resistir a Satanás ou proteger seus filhos de seus ataques. Basta ler os testemunhos dos Jovens Guerreiros para mostrar quão poderosa é a proteção de uma mãe.

Meu propósito não é dizer que os homens são menos imunes que as mulheres dos dardos inflamados de Satanás. Claramente, o diabo pode golpear cruelmente qualquer gênero. No entanto, parece evidente que Deus previu que a guerra de Satanás seria especificamente travada contra a mulher e seus filhos, então Ele nos deu um recurso especial dando ao Sacerdócio a responsabilidade de prover e protegê-los.

Em um dia em que a apostasia domina e Satanás enfurece o coração dos homens (2 Néfi 28:20), maridos, pais e o sacerdócio ficam entre o diabo e as mulheres e seus filhos. Que o Sacerdócio empunhe as armas do sangue do Cordeiro e o seu testemunho para proteger e prover para aqueles que dependem deles. Que o sacerdócio pratique a religião pura e defenda a linha da inimizade para que Satanás não possa passar.

Fonte: Meridian Magazine

Relacionado:

Queridas mulheres santos dos últimos dias: é hora de cumprir a profecia do Presidente Kimball

Um comentário em “O ataque de Satanás às mulheres

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *