O grande alerta que não percebemos com a história da viúva no templo

Você já leu as escrituras e aprendeu algo que nunca havia percebido antes?

Sim, eu também! De alguma forma não é um tipo de revelação?

É maravilhoso o que acontece quando lemos a palavra de Deus. Nossos olhos e corações são abertos para lições necessárias em nossa vida.

Algumas semanas atrás, eu estava estudando algumas escrituras para um artigo diferente que escrevi, e cruzei com a história das moedas da viúva. Amo essa história. Para mim, é um dos mais doces sacrifícios que vemos nas escrituras, uma mulher dando literalmente tudo o que tinha a Deus.

Alguns de nós somos capazes de sacrificar tudo o que o Pai Celestial quiser. Essa história só é uma garantia de que isso é possível.

Foi nesse momento que percebi algo que nunca havia notado antes.

Você ficaria surpreso como a maioria das pessoas não percebem a verdadeira moral nessa história do Novo Testamento?

Você ficaria ainda mais surpreso que essa moral não seja sobre a fé, mas que é um alerta do Salvador?

Então, se prepare.

Separando o contexto

Antes de começar, preciso ter certeza de que serei claro e compreendido… Não estou dizendo que os princípios que tiramos da história está “errado.” A menos que aprendamos algo que não está de acordo com a verdadeira doutrina da Igreja, não acredito que exista ‘certo’ ou ‘errado’ para as coisas que aprendemos.

Como eu poderia dizer que aprender a dar tudo a Deus é errado?

O que estou sugerindo é que essa é uma outra incrível lição que aprendemos ao estudar as escrituras. É uma lição difícil. Mas é incrível. Acredite em mim.

Nos anos de seminário, aprendemos que para entender as escrituras, temos que entender o contexto. Quando João falou sobre colocar ou retirar escrituras daquele livro, ele se referiu ao livro de Apocalipse, não a Bíblia.

Da mesma maneira, não seria importante entender o que estava acontecendo dentro da história da viúva? Sim. Obviamente. Vamos contextualizar a história.

Em ambos os relatos, as palavras usadas sobre a história dessa pobre viúva, são praticamente as mesmas. Cristo havia terminado de contar algumas parábolas em resposta às críticas dos Fariseus e Escribas. Ele disse para eles renderem a Deus o que era de Deus. Ele ensinou o primeiro e o segundo grande mandamento. Então, Ele finalizou com essa incrível observação:

“Guardai-vos dos escribas, que gostam… das saudações nas praças, que devoram as casas das viúvas” (Marcos 12:38-40).

Então ouvimos Ele falar sobre a pobre viúva, que deu tudo o que tinha.

Imediatamente depois da observação Dele, Ele alertou todos que o templo (onde a viúva deixou o dinheiro) um dia seria destruído ao ponto que “não se deixará pedra sobre pedra, que não seja derrubada” (Lucas 21:6).

Não sei você, talvez eu seja maluco. Mas parece uma mudança dramática nas palavras do Salvador, pelo menos na maneira que retratamos.

O tom da história

Imagine que somos os discípulos que o Senhor está ensinando na história. Ele acabou de responder a todas as armadilhas que os fariseus e escribas armaram para Ele.

Tome cuidado com esses fariseus e escribas. Eles são hipócritas. Eles amam o que é do homem, mas ignoram os mandamentos de Deus. Eles andam com os seus tecidos finos para que as pessoas os notem. Eles amam ter poder e autoridade sobre as sinagogas. Eles se aproveitam de viúvas e de suas circunstâncias. Eles fazem longas orações para se sentirem sagrados. Eles serão pagos por seus trabalhos.

“Estão vendo aquela viúva ali? Ela deu tudo o que tinha. Ela tem tanta fé e está tão disposta a dar tudo para Deus.”

“Bom, como eu estava dizendo, esses homens são os piores. Eles só contribuem porque têm muito, e eles se certificam de que as pessoas saibam que estão cheios de tesouros. E ainda, todos os falsos esforços não servem para nada. Esse templo, no qual eles dão dinheiro, um dia  será destruído.”

Essa versão da história não parece um pouco agitada? Não sou um especialista literário, mas as pessoas geralmente mantem o mesmo tom e significado por trás do que estão ensinando. Talvez o Salvador citou ela por uma razão diferente. Será que isso é possível?

Completamente.

O aviso

Tente manter o mesmo tom, a mesma moral ao longo de toda essa história, que Cristo acabara de ensinar, o que acontece? Existe alguma diferença em seu significado?

De repente, o alerta do Salvador se torna alto e claro.

Ao invés de simplesmente respeitar a viúva por seu sacrifício (apesar de ser uma mensagem poderosa), Ele estava apontando para o que realmente estava ensinando. O desejo da viúva de manter os costumes sociais e religiosos que foram criados pelas pessoas que Cristo estava alertando.

Ele disse que eles devoravam as casas das viúvas. Aquilo custou tudo para ela. Claro que Deus a abençoaria. Claro que Cristo admirava a coragem e a fé dela. Mas o que ela estava fazendo, não era necessário. Os fariseus e escribas estavam se aproveitando de uma senhora pelos dois últimos centavos dela.

E o pior é que aquele dinheiro não seria usado. O templo para o qual ela doou, um dia seria destruído completamente. Os líderes religiosos daquela época, tiraram tudo daquela pobre viúva, e sem nenhum propósito.

Não me admira que receberam a maior condenação.

Vemos um alerta similar quando Cristo fala de como os fariseus se recusaram a cuidar de seus próprios pais. O dinheiro que eles usariam para cuidar de seus pais tornou-se sacrifício ou um presente para Deus. Os fariseus não compreendiam todos os mandamentos.

A história da moeda da viúva é um alerta sobre aqueles que se aproveitam de outros.

Acredite ou não, o mesmo alerta se aplica para cada um de nós.

Como nos aproveitamos de outras pessoas?

Sei que a maioria das pessoas não se aproveitaria de uma pobre viúva, da maneira que os fariseus fizeram. E esse é o motivo deles provavelmente serem cruéis o suficiente para crucificar o Salvador.

No entanto, de um jeito ou de outro, acredito que às vezes, todos nós podemos fazer as coisas ‘certas’ pelas razões erradas.

Eu sei que mais uma vez, não somos perfeitos. Às vezes é difícil de aceitar. Mas também é uma grande benção.

Imediatamente, penso naqueles que são tentados ou quebram a lei da castidade. Que exemplo mais explicito temos desse tipo de comportamento? Até mesmo aqueles que saem com outras pessoas só para se divertir e beijá-los… como você faz com que eles deem suas últimas moedas?

E quando discutimos com alguém? Usamos as fraquezas ou a ignorância contra eles mesmos? Exibimos a nossa opinião e razão para tirar vantagem e vencer? Como fazemos com que eles deem suas últimas moedas?

Às vezes, temos problemas para perdoar outras pessoas. Essa não é outra maneira de nos aproveitarmos de outra pessoa? Não estamos negando a eles a cura que talvez eles precisem desesperadamente em suas vidas? Como estamos influenciando eles a dar as suas últimas moedas?

Talvez até manipulemos emoções. Somos sinceros quando dizemos as palavras “eu te amo? Ou elas são ditas com expectativas? Como isso faz com que as pessoas que amamos deem suas últimas moedas?

Quase todas as vezes que erramos com alguém, estamos nos aproveitando dele, o que Cristo nos alertou?

Sobre o que é o evangelho

Os fariseus falharam exatamente o que Cristo queria nos ensinar. Eles se aproximavam de Deus com suas tradições e ações tolas, mas estavam longe de deixar a verdade entrar em seus corações.

O Pai celestial não ordena, ou até mesmo quer que façamos nada “para Ele” as custas de outras pessoas. A despeito de qualquer razão, se aproveitar do próximo, é contrário a tudo o que Cristo ensinou, sacrificou e viveu.

A razão pela qual temos o Evangelho é para que possamos aprender a nos tornarmos como o Pai Celestial e Seu Filho. Qual é a característica que Os define?

Ser perfeito é amar perfeitamente. Amar a Deus e ao homem.

Não sei se eu poderia dizer com certeza, se este é um princípio no qual podemos ser perfeitos ainda nessa vida.

Mas, posso dizer com toda a certeza que quando eu ficar diante de Cristo para ser julgado, posso dizer confiantemente a Ele que fiz tudo o que podia nesse mundo para ter certeza de cuidar das viúvas, e de todos os que precisaram de amor e apoio.

Quero ter certeza de que dei tudo de mim para oferecer um lar e uma família para qualquer um que seja forçado, persuadido, manipulado a dar suas últimas moedas.

Eu disse, é uma lição difícil. E contrasta com a maneira como geralmente contamos essa história.

Mas, tenho certeza que é um alerta importante que devemos dar atenção, se quisermos fazer tudo o que pudermos para seguir o nosso Salvador com todo o nosso coração, coragem, mente e força.

Fonte: Third Hour

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *