Perguntas e Respostas: Tenho raiva de Deus pela morte de um ente querido. O que eu faço?

Pergunta

Tenho um familiar muito próximo que faleceu recentemente. Ainda é muito difícil para mim, pois esta pessoa foi muito especial e importante em minha vida. Ela era uma ótima pessoa e não entendo porque o Pai Celestial teve que levá-la. Sinto que precisamos mais desta pessoa na terra do que no céu. Não consigo encontrar paz por mais que tenha tentado. Sinto muita raiva de Deus, mesmo sabendo que não devia sentir isso…o que eu faço?

Resposta

Perder um ente querido é uma experiência muito traumática e difícil –especialmente se a pessoa faleceu precocemente. A morte é um processo inevitável pelo qual passamos deste mundo para o outro – e cada pessoa que nasce deve morrer – até você e eu.

Vemos pessoas de todas as idades que morrem todos os dias – desde crianças até os mais velhos; e as vemos em diferentes situações – aqueles que estão tão doentes, que não estão conscientes de que estão vivos e até aqueles que parecem estar esbanjando saúde.

Em seu caso, seu ente querido faleceu, alguém que era muito próximo de você. Essa separação teve um sério efeito em sua vida pessoal–sem dúvida era alguém com quem tinha um relacionamento muito especial.

Sua situação, embora difícil de suportar, não é algo incomum. A grande maioria dos que nos deixam, produzem efeitos devastadores naqueles que ficam.

Mas vamos tentar olhar para o processo da morte por uma perspectiva um pouco mais ampla do que apenas este relacionamento pessoal terreno.

Em primeiro lugar, o que é a morte? Talvez a melhor analogia seja compará-la com tirar um casaco. O casaco é o nosso corpo. O que faz quando tira o casaco? Você o deixa de lado e segue fazendo o que estava fazendo. A pessoa que morre faz a mesma coisa, e em seguida, continua com a sua existência. Brigham Young falou sobre isto:

“No que concerne ao falecimento de nossos amigos e nossa própria morte, posso dizer que estive tão próximo de compreender a eternidade a ponto de ter sido forçado a exercer muito mais fé para desejar continuar vivendo do que jamais tive que fazer em toda a vida. O resplendor e glória de nossa próxima habitação são inexprimíveis. Lá não existe o fardo da idade avançada que nos obriga a tomarmos cuidado ao andar para não tropeçarmos e cairmos.

Vemos até mesmo nossos jovens freqüentemente tropeçando e caindo. Como é diferente do outro lado! Eles movem-se com facilidade e com a velocidade do relâmpago. Se quisermos visitar Jerusalém, ou este ou aquele lugar — e suponho que isso nos será permitido se assim o desejarmos — num instante estaremos lá, observando suas ruas.

Se desejarmos ver a cidade de Jerusalém como era no tempo do Salvador; ou se quisermos admirar o Jardim do Éden como era ao ser criado, eis que lá nos encontraremos e o veremos como existiu espiritualmente, pois ele foi criado primeiro espiritualmente, depois fisicamente, e sua forma espiritual permanece inalterada.

Quando estivermos lá, poderemos vislumbrar o mundo como era na manhã da criação ou visitar qualquer cidade da Terra que nos agrade. Se quisermos saber como se vive nestas ilhas ocidentais ou na China, lá estaremos; na verdade, seremos como a luz da manhã” (Ensinamentos dos Presidentes Da Igreja: Brigham Young, P. 279).

Agora, o Senhor ama essa pessoa mais do que você a ama. Ele também te ama, infinitamente mais do que imagina. Ele sabe exatamente o que você está passando.

A morte é a porta de passagem da mortalidade para a imortalidade. Do outro lado da porta não há apenas um vazio. O trabalho do reino é tão vital, se não mais do que é aqui. E os servos do Senhor são necessários tanto lá quanto aqui. Se o Senhor nos chama então Ele precisa de nós para um propósito particular.

Você sente que o seu ente querido é mais necessário aqui na terra do que no céu, mas algo que você deve se perguntar é ‘O que você sabe sobre o seu ente querido e o que ele pode conseguir em seu novo ambiente?’. Saiba que ir desta vida para a próxima não é algum tipo de acidente, e que no mundo espiritual não nos sentamos e esperamos pela ressurreição.

Por favor, saiba que aqueles que partem desta vida em retidão são necessários lá mais do que são necessários aqui, e que estão muito mais ocupados e mais envolvidos na obra do Senhor do que alguma vez estiveram durante a mortalidade.

Por favor, saiba que se você pudesse ver através do véu e saber o que está acontecendo lá, você ficaria mais animado do que tristespela morte de seu ente querido. Por isso, acho que a questão é:

Acreditai em Deus; acreditai que ele existe e que criou todas as coisas, tanto no céu como na terra; acreditai que ele tem toda a sabedoria e todo o poder, tanto no céu como na terra; acreditai que o homem não compreende todas as coisas que o Senhor pode compreender (Mosias 4:9).

Fonte: Ask Gramps

Relacionado:

O que a história da família me ensinou sobre a vida após a morte

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *