Quando Deus está na tempestade

A história mais antiga registrada no Livro de Mórmon é sobre um profeta chamado Mahonri, mais conhecido como o irmão de Jarede. Como dito no livro do Éter, ele foi guiado por Deus para reunir sua família e amigos e ir para uma nova terra, deixando a iníqua Babel para trás. Mas ao invés de ensinar o irmão de Jarede a construir um navio como fez com o Profeta Néfi, o Pai Celestial ensinou o irmão de Jarede e seu povo (os jareditas) a construirem barcos. Estas barcaças eram arredondadas, sem a possibilidade de ver o que havia do lado de fora e sem leme. No entanto, com alguma ajuda especial do Senhor, os jareditas os construíram e foram para o mar.

Desde o início, a viagem não foi fácil:

“E aconteceu que o Senhor Deus fez com que soprasse um vento furioso sobre a face das águas, em direção à terra prometida; e assim foram eles impelidos pelo vento sobre as ondas do mar.

E aconteceu que foram muitas vezes submersos nas profundezas do mar, em virtude das ondas gigantescas que se quebravam sobre eles; e também das grandes e terríveis tempestades causadas pela fúria do vento” (Éter 6:5-6)

Em vez de tomar um caminho tranquilo em direção à terra prometida, os jareditas viajaram em meio ao caos. Com a única luz vinda de pedras divinamente tocadas e sem uma visão do que havia nos arredores, os viajantes não podiam ver para onde estavam indo. As únicas pistas sobre o que estava acontecendo fora das paredes do barco provavelmente vieram dos sons das ondas batendo e dos ventos incansáveis.

Mas os jareditas não se sentaram silenciosamente durante as tempestades assustadoras. “Quando eram envolvidos pelas muitas águas, clamavam ao Senhor” (Éter 6:7) Eles estavam assustados.

Então por que é que Deus envia uma tempestade nesta história? Ele não estava ouvindo suas orações? Ele não se importa? Como diz o hinário das crianças: “Meu Pai Celeste, estás mesmo aí?”

As respostas a estas perguntas vêm no próximo versículo: “E aconteceu que enquanto estavam sobre as águas, o vento não deixou de soprar em direção à terra prometida; e assim foram eles impelidos pelo vento.” (Éter 6:8).

Sem serem capazes de se guiar, os jareditas tinham que confiar em Deus como seu capitão. Depois de seu mandamento inicial para ir à terra prometida, os jareditas não sabiam como Deus iria levá-los para lá, mas eles acreditavam que Ele iria cumprir com a promessa. E Deus os protegeu, como sempre faz. Ficar parado no meio do mar não teria levado os jareditas a nenhum lugar novo; eles teriam ficado exatamente do mesmo jeito que eram antes de entrar nos barcos. Para levá-los onde eles precisavam ir, o Pai Celestial enviou uma tempestade, e depois de 344 dias no mar, os jareditas desembarcaram, e “agradeciam e glorificavam ao Senhor o dia todo; e quando chegava a noite, não cessavam de louvar ao Senhor.” (Éter 6:9).

Esta história dos jareditas é como a nossa própria história. Na vida, vêm tempestades. Em momentos de aflição, podemos pedir a Deus para aliviar a tempestade e então receber chuvas mais pesadas, ondas mais fortes, e ventos mais rápidos como resposta. Passar pelas tempestades da vida pode facilmente nos dar a impressão que Deus não está conosco. Confusão, frustração e desdém são causas naturais de desordem. Podemos sentir que as orações não foram respondidas. No meio da tempestade, o Profeta Joseph Smith sentou-se no frio da cadeia de Liberty e gritou: “Oh Deus, onde estás? E onde está o pavilhão que cobre teu esconderijo?” (D&C 121:1). O Joseph se sentia sozinho. Mas Deus nunca nos deixa sozinhos. Ele responde às nossas orações, como respondeu a Joseph:

“Meu filho, paz seja com tua alma; tua adversidade e tuas aflições não durarão mais que um momento; E então, se as suportares bem, Deus te exaltará no alto” (D&C 121:7-8).

de Joseph Smith

Deus sabe como te ajudar. Jesus ensinou em Jerusalém: “Se vós, pois, sendo maus, sabeis dar boas dádivas aos vossos filhos, quanto mais vosso Pai, que está nos céus, dará coisas boas aos que lhe pedirem?”(Mateus 7: 11). Se pedir ajuda, Deus vai ajudar. A Sua ajuda pode vir como ventos fortes e chuva, e a terra prometida pode não ser visível até que os seus pés toquem na terra, mas a Sua mão irá sempre nos levar para o lugar certo.

O estilo de vida do Senhor não é um de perfeição prometida—pergunte a Jó, José do Egito, Daniel ou Paulo. Ou Pergunte a Néfi, Abinádi, Samuel, Mórmon ou Morôni. Perfeição prometida, não, mas proteção prometida, sim – não de males terrenos, mas de morte espiritual. O discipulado não se traduz em dinheiro ou acordos ganhos, mas sim na direção divina e na vida eterna.

Deus envia tempestades para nos levar em direção ao que é melhor para nós

Deus envia tempestades para nos ensinar e treinar. Deus envia tempestades para nos levar em direção ao que é melhor para nós. Como os jareditas, não sabemos como é o caminho para a terra prometida, mas podemos confiar em nossos guias—Nossos Pais Celestiais, o Salvador, o Espírito Santo, e anjos—para entregar em Sua palavra.

O caminho para o céu não é fácil. O caminho não está cheio de rosas. Mas o caminho, mesmo com suas tempestades, vale a pena e nos leva em direção a Ele, em direção ao nosso lar.

Fonte: LDS Living

Relacionado:

A voz que ajudou um presidente de missão durante uma perigosa tempestade

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *