O medo significa que temos pouca fé?

No livro de Mateus, lemos a história de Jesus acalmando a tempestade enquanto estava no mar com Seus discípulos. Esta história é particularmente popular pela pergunta que Jesus fez aos Seus discípulos. Ele disse:

“Por que temeis, homens de pouca fé?”

Esta pergunta tem sido interpretada de muitas maneiras, uma delas é que quando sentimos medo, temos pouca fé.

Esta interpretação é verdadeira?

Antes de respondermos esta questão, precisamos determinar que tipo de medo estamos sentindo. Existem dois tipos de medo – o medo de deus e o medo do mundo.

Nas escrituras, somos ensinados a temer a Deus. Este temor do Senhor como explicado pelo Élder Bednar, é “um profundo sentimento de reverência, respeito e veneração pelo Senhor Jesus Cristo”.

Então, não é realmente “medo”, como tendemos a pensar. É um sentimento que nos persuade a buscar conhecimento e entender sobre os mandamentos de Deus, para que possamos obedecê-los.

E também é por causa dessa veneração, que buscamos aprender atentamente sobre a plenitude da glória e do poder de Deus. Este tipo de temor aumenta a nossa fé e profunda devoção a Ele.

O outro tipo de medo, que somos aconselhados a evitar, é o medo que não é de Deus. Este tipo de medo, que Satanás adora explorar, nos faz duvidar de quem somos e quem podemos nos tornar.

É o medo de não sermos suficientes, de que nossos erros passados nos definem, de que não merecemos ser amados ou perdoados, de que somos tão falhos que estamos além do alcance da Expiação, de que não somos capazes de construir e manter uma família sozinhos, de que sempre iremos falhar ou seremos rejeitados, de que não podemos progredir, de que não somos importantes, e todos os pensamentos que NÃO são verdades.

Muitas pessoas podem pensar, “Mas eu sinto, como pode não ser verdade?” Sim, esses sentimentos são reais, mas não significam que sejam verdadeiros.

Também não significam que temos pouca fé. Significam que somos humanos e estamos sujeitos a esses sentimentos por causa de nosso estado mortal.

Esses sentimentos podem ser um dos desafios pelos quais precisamos perseverar, para entender quem somos plenamente e o quão valiosas são as nossas almas aos olhos de Deus.

Eles podem ser um caminho que precisamos tomar, para que possamos saber como socorrer e fortalecer aqueles que estão nessa mesma situação.

Eles podem nos levar a momentos decisivos de nossa fé, onde Deus nos mostra que não tropeçaremos se Ele for a rocha sob a qual construímos nossa fé.

Esses sentimentos podem significar muitas coisas, mas uma coisa é certa, sentimentos de medo NÃO definem a nossa fé. Porém, o que fazemos com relação a eles sim.

Então, o que podemos fazer quando sentimos medo?

Em uma das cartas do Apóstolo Paulo a Timóteo, ele escreveu:

“Porque Deus não nos deu o espírito de temor, mas de fortaleza, e de amor, e de moderação”.

Quando essa verdade é clara para nós e encaramos momentos de medo, podemos nos afastar deles ao nos achegarmos ao Senhor e podemos nos achegar a Ele de muitas maneiras.

Pode ser através da oração, da leitura das escrituras, ao buscar conselho com um bispo, cantar um hino, servir ao próximo, ao não ceder ao espírito de contenda, entre outros.

Ao nos achegarmos ao Senhor, teremos a capacidade de reconhecer que sempre somos suficientes, que podemos nos tornar uma versão melhor de nós mesmos, que podemos alcançar o nosso pleno potencial e que somos importantes para Ele.

Podemos conhecer as verdades de Seu evangelho e o poder da Expiação de Jesus Cristo, que pode curar corações partidos e suavizar qualquer falha.

Seremos capazes de ver as coisas como elas realmente são, e ver através das lentes de um amoroso Pai que podemos crescer e florescer em meio as aflições, que podemos perdoar e sermos perdoados, que a morte não é o fim, mas o início de outra jornada, e que Deus sempre nos amará e estará conosco a cada passo de nossa jornada, ao progredirmos em nossa vida.

Somos ensinados que fé no Senhor Jesus Cristo é o antídoto para o medo. Parece simples, mas a fé requer obras, dedicação e nutrição ao longo da vida.

Para que possamos dissipar o medo, primeiro devemos construir nossa fé ao ouvir o evangelho de Jesus Cristo e então buscar confirmação pelo poder do Santo Espírito de que é verdadeiro.

Outros elementos cruciais para construir a nossa fé são o arrependimento, fazer e guardar convênios e servir na obra de Deus.

A vida nunca será livre de medos. Alguns de nossos medos virão de experiências difíceis, outros cobrarão nossa coragem e testarão nossa resiliência, mas não podemos deixar estes sentimentos definir a nossa fé.

Vamos permitir que nossas experiencias tornem a nossa fé mais profundamente enraizada no evangelho de Jesus Cristo. Se não deixarmos o medo sobrepujar a nossa fé, não teremos razão para questioná-la.

O Senhor nos ama. Mesmo que nossa fé seja do tamanho de um grão de mostarda, o que Ele vê é o potencial que tem – uma forte e imponente árvore.

O que importa para Ele é que nutramos o grão para que ele se torne o que está destinado a ser.

Fonte: Faith PH

Relacionado:

4 coisas que aprendi sobre sobrevivência espiritual nos últimos 4 meses

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *