Como transformar suas orações de um monólogo em um diálogo

 Quando foi a última vez que você se ajoelhou, respirou fundo e então implorou a Deus para fazer algo parar, ir embora ou mudar? Esse tipo de apelo para que Deus faça algo não é incomum: “Ajude minha esposa a…” “Oriente-nos para saber o que mais podemos fazer para…” “Abrande o coração dele.” “Tire isso!”

Nesses momentos, pensamos em nós mesmos como estando totalmente presentes com Deus. Afinal, estamos focados, estamos pedindo a Sua atenção e somos muito sinceros em nosso pedido. Então, por que sentimos Deus tão distante em um momento tão necessário?

Talvez, Deus pareça distante porque caímos no uso da oração para conseguir o que queremos e como uma ferramenta para fazer nossa própria agenda acontecer. Esse tipo de imposição sutil que envolve a tentativa de pressionar Deus a “fazer algo” por nós também demonstra uma ansiedade subjacente e uma confiança limitada Nele.

Nesse estado mental, o autor Richard Rohr adverte: “você não acessará o Sagrado porque a única coisa que entra é o que você já pensa, com o que já concorda e o que não o ameaça”. Nesse estado, como podemos esperar receber mais? E, como ele diz, “se você não estiver pronto para mais… como você pode estar pronto para Deus?”

Em vez de nos abrirmos à Sua vontade neste momento, às vezes acabamos tratando Deus como um gênio em uma lâmpada ou como o Papai Noel: se pudermos convencê-lo de que temos sido muito, muito bons, talvez Ele nos entregue as bênçãos que tanto desejamos.

Dessa maneira, percebemos a mesma tendência em um de nossos filhos. Um dia, William, de cinco anos, perguntou depois de uma oração: “Por que continuamos dizendo a Jesus o que fazer? Somos o rei de Jesus? Eu pensei que Ele era nosso rei?”

Em vez de tratar Deus (através da oração) como um meio para nosso fim, como uma espécie de ferramenta para nossos propósitos, descobrimos que nossas orações mudam muito quando começamos a nos concentrar em ser uma ferramenta para os fins Dele.

A oração como um diálogo

Joseph Smith ensinou que parte do primeiro princípio do evangelho era “saber que podemos conversar com [Deus] como um homem conversa com outro”. O Élder Jeffrey R. Holland explicou:

Muitas vezes fazemos da oração uma espécie de lista de pedidos. É como se quiséssemos ir à loja para comprar isso e aquilo, e eu preciso disso agora. E não lembramos que Ele deveria nos responder.

Terminamos uma oração e logo estamos de volta ao burburinho do mundo. Precisamos permitir que Ele fale conosco, em um ambiente tranquilo, em um ambiente calmo. E isso provavelmente acontecerá depois que terminarmos de conversar (e que espero que não sejam apenas pedidos).

Ouça a próxima parte: “Quando terminarmos de falar, precisamos da voz Dele! Precisamos fornecer um ambiente para que Ele fale conosco. E isso significa… permanecer quieto, permanecer em silêncio, permanecer em um ambiente privado. Muitas vezes negamos a Ele a chance de responder!”

Em uma entrevista com Madre Teresa de Calcutá, Dan Rather perguntou: “O que você diz a Deus quando ora?” A resposta dela pareceu surpreendê-lo: “Eu escuto”. “Bem, então o que Deus diz?” ele adicionou. Com um sorriso, ela respondeu: “Ele ouve”.

Construir um relacionamento com Deus

Uma oração reflexiva, atenta e reverente é cultivar um relacionamento com Deus como um Ser real com quem podemos falar genuina, intima e pessoalmente. Essa comunicação bidirecional é uma grande parte da transformação de “fazer uma oração” em “estar com Deus”.

O hábito do Presidente McKay era entrar em “uma sala escura, uma sala privada, …ajoelhar-se no centro da sala, não em uma cadeira, não contra uma cama, e ele se ajoelhava e não falava nada. Isso não era no final da oração. Isso era antes da oração começar. Ele não dizia nada por alguns minutos até que se sentisse digno de se aproximar do trono do Senhor, de ir diante da divindade….E então ele esperava [depois de falar]… e dava ao Senhor um meio de responder.”

Às vezes, isso significa sentar-se de coração com o Pai Celestial, com a paciência de não saber o que esperar e por muitos anos até que respostas específicas sejam dadas. Esperar não é perder tempo.

Quando cultivamos uma “consciência geral e amorosa da presença de Deus”, esta oração, como escreve Thomas Keating, trata de “concordar com a presença e ação de Deus dentro de nós” e “estabelecer gentilmente uma atitude de esperar o Senhor com atenção amorosa”.

Vontades e esperanças mais elevados

Praticar essa forma de oração reafirma “nossa intenção de nos colocar à disposição de Deus”.

Dessa forma, desenvolvemos o que Keating chama de “o hábito de se render à crescente presença e ação de Deus”.

Como o autor cristão John Backman escreve:

“Ao sentar em silêncio, concentrando nossa atenção no momento presente e no Espírito dentro dele, fornecemos espaço para Deus falar gentilmente às nossas almas”.

Esse cultivo envolve ficar atento ao jogo de nossas próprias vontades e esperanças na oração, com a intenção de ceder à vontades e esperanças mais elevados.

Como Keating acrescenta, “às vezes nossa própria atitude gentil predomina, e outras o Espírito toma conta” com a presença, influência e poder do Espírito Santo crescendo ao longo do tempo em oração.

Essa mudança em nossas orações pode ser aliviadora e emocionante. Em vez de tentarmos constantemente colocar Deus a bordo de nossos planos, começamos a nos basear na convicção de que o Pai tem uma visão mais ampla que a nossa.

Se isso for verdade, então nosso tempo com Deus se torna um questionamento constante para melhor entender e nos alinharmos com uma vontade cujos limites estão sempre se estendendo além de nossa própria perspectiva finita. Como o horizonte em uma caminhada na praia.

Confiar no Senhor

sobre oração

Quando comparado com uma oração de despedida, esse tipo de oração “poderosa” envolve uma presença plena que é diferente: somos autênticos e reais com Ele, mesmo sobre nossa dor, mas também somos calmos, humildes e reverentes em Sua presença.

Em vez do mesmo velho ritual, esse tipo de seriedade abre uma variedade rica de experiências de oração.

Por exemplo, expressar a confusão ou a dor que nos coloca de joelhos pode ser doloroso. Ou, em períodos menos estressantes, podemos notar que nossos corações se sentem cansados ​​ou pesados ​​com as preocupações cotidianas.

Em tempos mais felizes, nossos corações podem explodir de gratidão. Mas em todos os casos, quando nos sentamos em Sua presença, totalmente ali, entregando nossa compreensão e vontade limitadas à Sua, uma experiência mais sutil com Deus se desenvolve.

À medida que abrimos espaço em nossos corações para a Sua vontade, amor e sabedoria, começamos a ver o nosso caminho além de nossos preconceitos subjetivos e convidamos a verdadeira intimidade com Deus. Começamos a confiar Nele.

Em vez de um dever ou algo a ser “feito”, a oração pode, assim, tornar-se um ato de comunhão de intimidade. Em vez de uma “ferramenta” instrumental para nossos fins, esse tipo de oração se torna uma maneira de alinhar o nosso coração e mente com Deus, oração após oração.

Fonte: LDS Living

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.